quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Lil Wayne "Love Me": Um Vídeo glamourizando a Programação Sex-kitten


single de Lil Wayne "Love Me" (com a participação de Drake e Future) parece ser uma outra canção de rap sobre meninas fáceis e assim por diante. O simbolismo do vídeo, no entanto, acrescenta um significado mais sinistro para a música: ele se refere diretamente ao Controle Mental Monarca, especificamente à Programação Kitten e ainda se refere a suas técnicas. Vamos analisar o simbolismo de Lil Wayne "Love Me". 

À primeira vista, "Love Me" parece ser outra canção em que rappers gabam-se de quantas "minas" que eles têm. Enquanto alguns podem desaprovar a falta de originalidade do assunto, outros podem desaprovar a forma como as mulheres são retratadas no vídeo. No entanto, vou acrescentar mais um motivo para se chacoalhar a cabeça: "Love Me" se refere à prática mais terrível que existe na Terra, o Controle Mental Monarca (se você não souber do que estou falando, leia este artigo). Em suma, a programação Beta (também conhecida como Programação Kitten) é usada para criar escravas sexuais de mentes lavadas.


Esta programação elimina as convicções morais aprendidas e estimula os instintos primitivos sem inibições. Esse programa de treinamento (normalmente para as mulheres) é para o desenvolvimento de uma "prostituta final". Esse é o programa mais utilizado (pelos abusadores conhecedores do Projeto Monarca).

 - Mark Phillips, a Operação Monarca
 

Como veremos neste artigo, o vídeo contém todo o simbolismo possível relativo à programação  Kitten e também enfatiza a condição de escrava das mulheres no vídeo. As garotas de Lil Wayne estão literalmente trancadas em jaulas e descritas como animais. Elas também são mostradas em situações que aludem sutilmente a técnicas de tortura que manipuladores MK reais usavam ​​para traumatizar escravos e levá-los a dissociar da realidade. Claro, tudo é retratado de uma forma legal e elegante, para se certificar de que jovens abracem tudo isso mesmo sem perceber. Vamos então entender o significado do vídeo. 

Mulheres como Escravas MK, Rappers como Manipuladores

Nos primeiros segundos do vídeo, vemos uma imagem semi-subliminar que anuncia sobre o que o vídeo se trata. 

 
Por cerca de um segundo, o fogo do isqueiro toma a forma de uma cabeça de
 Baphomet/ bode de Mendes. Esta é uma espécie de "selo de aprovação" da elite 
oculta e um símbolo importante usado na programação MK. 

A canção é sobre como as mulheres, aparentemente, amam Lil Wayne. No vídeo, no entanto, elas não parecem ter muita escolha, porque estão PRESAS EM GAIOLAS, dentro de um local que se assemelha muito a um calabouço. 

Future canta sobre como as mulheres o amam ... mas ele não está prestes a libertá-las 
de suas gaiolas. Esta cena contraditória está relacionada à forma como os escravos
 MK são programados para identificar e até mesmo "amar" seu manipulador
 através de jogos mentais confusos. 

Trancar escravos em gaiolas é uma técnica da programação Monarca real usada para disciplinar, traumatizar e desumanizar as vítimas.

 Uma pintura feita por uma sobrevivente do controle mental baseado no trauma, 
Kim Noble, (do artigo O Mundo de Controle da Mente Através dos olhos de um
 Artista com 13 Alter Personas) retratando crianças trancadas em jaulas 
e observadas por um manipulador. 

As várias imagens de mulheres mostradas durante todo o vídeo de alguma forma fazem alusão a um aspecto da programação Kitten. Aqui estão algumas delas:

Esta modelo tem impressões felinas em seu rosto (que são usadas nos meios de comunicação
 para se referir à programação Kitten). Para ter certeza que você está pegando a mensagem, 
ela também tem olhos de gato e está lambendo sua "pata". Neste ponto, o vídeo está, 
basicamente, gritando: PROGRAMAÇÃO KITTEN.

Lamber uma lâmina é talvez perigoso, mas isso também se refere à mistura 
de desinibição de lascívia e abuso físico envolvidos na programação Kitten.
 
 Este capacete é uma reminiscência de material BDSM, mas também é uma forma 
de representar a mente de um escravo sendo presa e controlada por um manipulador.

Kittens são treinadas para realmente abraçar seu estado de servidão. 
Esta modelo parece estar amando a prisão demais. Um pouco demais. 

Esta modelo tem uma borboleta enorme cobrindo um dos olhos, que é 
provavelmente a referência mais flagrante de controle mental Monarca no vídeo.

No vídeo, Lil Wayne desempenha o papel do manipulador, no qual ele está, basicamente, no controle dessas mulheres hipnotizadas. 

 Aqui, Lil Wayne está em um quarto que está cheio de água com mulheres nadando 
nela. Tirando o fato de que essa água provavelmente irá causar uma série de danos no 
quarto, ela é também uma forma de mostrar que essas escravas estão, literalmente, 
"fora de si". Além disso, observe o quadro à esquerda com borboletas dentro.
 Sim, é tudo relacionado à programação monarca.

Uma das primeiras rimas de Lil Wayne é:


Essas mulheres me amam como Satanás, cara!

Vemos então um flash desta imagem: 

 Lil Wayne como Satanás. 

Este verso é desconcertante por algumas razões. Por que essas mulheres o amariam como Satanás? Ele está insinuando que elas estavam amando a Satanás? Se foi intencional ou não, esse verso tem profundas implicações no campo da programação monarca, visto que escravos são frequentemente vítimas de SRA (Ritual de Abuso Satânico) e têm que participar de rituais traumáticos (onde se tornam escravas, "noivas de Satã") e assim por diante. Às vezes manipuladores MK contam a suas escravas que eles são o próprio Satanás, enquanto as abusam para mais trauma. 


"Alters dentro de um escravo monarca são condicionados pela sua servidão a acreditam que a sua vida é controlada por Satanás, que seria mais forte do que Deus. Onde estava Deus quando eles precisaram dele? "

- Fritz Springmeier, The Illuminati Formula to Create a Mind Control Slave
 

Outra rima de Wayne é estranhamente reminiscente para o tipo de diálogo que um escravo Kitten teria com um manipulador. 


Ela disse: Eu nunca quero deixá-lo bravo,
Eu só quero fazer você se sentir orgulhoso
Eu digo, garota, só me faça g*zar,
Então não faça barulho 
 
 
Sem alma... como um manipulador MK. 

A última parte do vídeo também é um pouco perturbadora. Ela começa com as "kittens" entrando em um quarto branco.

Elas se movem como gatos, isto é, como na programação Kitten. 

Elas, então, chegam a uma banheira cheia de líquido vermelho (sangue) e, sem motivo aparente, fazem uma grande bagunça. 

As mulheres estão todas cobertas de sangue erolando nele e tudo. Isso é para 
ser legal ou algo assim? Quem em sã consciência faria isso? Ninguém. Mas 
essas mulheres não estão em seu estado mental normal. 

Mais uma vez, esta cena sutilmente se refere a uma prática real da programação monarca que é usada para traumatizar escravos e causar dissociação. 


"Em busca de traumas a aplicar às crianças pequenas, os programadores descobriram que essas fobias naturais que ocorrem na maioria das pessoas desde o nascimento vão funcionar "maravilhosamente" na divisão da mente. Nessa linha, são estas as amostras de traumas feitas para programar escravos:
 (...) 

C. A imersão em fezes, urina e recipientes de sangue. Depois sendo feitos comer essas coisas. Estes são os traumas padrões". 

- Ibid.
 

Enquanto a implicação na vida real de que essa cena é horrível, tudo é, no entanto, retratado de um jeito legal e estilizado, onde as modelos continuam fazendo uma cara sensual para a câmera (na vida real, essa cara seria completamente distorcida e dolorosa). 

Conclusão 

Como muitas outras canções pop, Lil Wayne "Love Me" tem um significado superficial de não se preocupar com inimigos enquanto suas "minas" a amam, mas o vídeo da música acrescenta um significado muito sinistro subjacente. Os leitores regulares deste site entendem que há um padrão inegável e recorrente de simbolismo na cultura popular e "Love Me" definitivamente acrescenta. De fato, neste vídeo, todo o simbolismo que está associado com a programação Kitten (um olho, borboletas, estampas de animais, etc) é representado no vídeo, juntamente com várias referências a  práticas de programação Monarca na vida real. Embora cada elemento individual poderia ter estado presente no vídeo para simbolizar algo mais do que o MK-Ultra, diga-me ... quais são as chances de que todos esses símbolos estariam sendo "aleatoriamente" inseridos em um vídeo de quatro minutos? Como é o caso de outros vídeos avaliados neste site, não se trata de apontar instâncias individuais de símbolos aleatórios, mas entender cada peça como um todo e as realidades ocultas a que elas se referem. Uma dessas realidades ocultas é programação monarca, uma das práticas favoritas da elite ocultista, que pode ser rastreada até ao que Springmeier chama de "famílias geracionais satânicas". 

 Enquanto o rap sempre teve uma boa dose de bravata machista, "Love Me" é uma deformação dessa "tradição", que acrescenta um toque doente e pervertido a ele, incluindo alusões a tortura, abuso, e até mesmo violência. Ao passar dos anos, esse "empurrão do envelope" torna-se mais evidente visto que a cultura original em torno do hip-hop está devagarinho, mas fielmente tornando-se "amiga dos Illuminati". Como muitos outros movimentos na sociedade, o hip-hop tem sido cooptado pela elite para ser usado como uma ferramenta para doutrinar os jovens. Há ainda rappers reais lá fora? Sim, toneladas deles. Mas você provavelmente nunca os viu no Grammy.

Fonte: VC

Um comentário:

  1. Salve Salve...
    É triste saber que o caminho que o rap percorreu, foi o caminho largo da perdição. Quando eramos autênticos ouvintes da geração PAC\BIG, sabíamos que a luta não era pela distorção do conceito "desigualdade", mas sim pela noção de "obtenção de conhecimento pra via da liberdade."
    O que acontece hoje, é fruto da falta de discernimento que acompanhou a cultura criticista americana, que outrora tinha cunho politico e depois virou oportunismo. Este criticismo de rapper iletrado, salvo raras exceções como os mencionados acima- já era visível pela tendencia de Tavistock abraçar tudo e estar em tudo como uma entidade onipresente. Se o Rock era considerado satânico pela exposição de sua liturgia diabólica, o rap hoje não fica atras.
    Se levarmos em consideração que letras de rap e batidas da caixa e bumbu são instrumentos pra formação artística, temos que considerar tambem que os mesmos intrumentos são a causa da geração desinformada, idiotizada, limitada e manipulada. Não é atoa que aqui no Brasil, ao invés do rap porno, temos seu parente mais distante etmologicamente e culturamente... O maldito FUNK!
    Vejo que a solução pra este pretensiosismo de "arma de guerra", seja fazer valer o conceito embutido na palavra RAP( RITMO & POESIA). Primeiro estudando o que seja ritmo, e depois se aprofundando e muito em poesia. Saber quem foi aqui no Brasil BRUNO TOLENTINO, já é um bom começo.

    ResponderExcluir

Por favor, note que os comentários são moderados e que todos
os spams, insultos, proselitismo e discursos de ódio serão removidos.