sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Hollywood e Satanismo - Desconstruindo o Mágico de Oz


Não é novidade para a maioria dos leitores desse blog que, assim como as religiões da "Babilônia", Egito, Grécia e todo o sistema que fazia a raça humana "adorar Deuses" sem jamais questionar ou refletir sobre como isso era feito e simplesmente "aceitavam", Hollywood é a "Meca" do atual satanismo no mundo que faz essa mesma raça humana adorar "Idolos" que "matam de mentirinha" numa imensa tela no cinema ou numa tela pequena em sua casa, ou ainda "cantam num palco", enquanto na intimidade se drogam e vivem em festas (que as pessoas tentam reproduzir igual em suas vidas sociais para terem certeza de que "curtem a vida adoidado"), reproduzindo uma realidade de "contos de fadas" para ser sempre "notícia", gerando nas massas energias de inveja, competição e desejos de baixa frequência, que convencem a quase todos de que se assim fizerem "serão felizes".



Não é novidade também que as produções ali realizadas, praticamente todas sem excessão são 100 por cento controladas em mínimos detalhes, milimetricamente calculadas e desenvolvidas por pessoas ocultas e desconhecidas, com finalidades que a maioria ignora e estão recheadas de símbolos satânicos, religiosos e ritualísticos, que trabalham implantando mensagens diretas, indiretas e subliminares em nosso subconsciente e consciente, em nossos campos psíquicos, facilitando assim o trabalho de CONTROLE MENTAL, doutrinação e OBEDIÊNCIA que permite que menos de 1 por cento do mundo controle mais de 99 por cento sem que esses jamais questionem, participem ou realizem a força e capacidade de mudança que representam e quem realmente manda ou pode mudar as coisas para melhor (ou para pior).

E assim vivemos nessa frequência de vibração que permitimos que nos convença de que devemos permancer existindo para juntar dinheiro num banco, elegendo "políticos" e "representantes" para cuidar da sociedade criando "leis" e realizando o que querem nos convencer ser a "administração pública" para que assim a grande mentira, que poucos conhecem mas todos ajudam a esconder, de tão perfeita, jamais seja sequer parte da desconfiança desses seres.

Não é novidade também que a técnica conhecida como "sétima arte" ou cinema, nasceu um pouco antes mas principalmente foi aperfeiçoada na 2ª guerra mundial.



E assim foi feito, para realizar publicidade dessa mesma guerra, como se a paz pudesse ser conquistada "punindo" e "matando" e assim como sempre na história mas de uma nova maneira, convencer cidadãos, a se tranformarem em soldados que abandonam suas famílias para irem lutar e muitas vezes morrer no front de batalha, de uma guerra que não foi criada nem idealizada por eles, mas por suas elites e governos.

Essas "elites" e "governos" que sempre na história, através de basófias a respeito da "defesa da honra", "patriotismo", "nacionalismo" e outras mentiras que se criam para gerar divisão, controlar e simplesmente tranformar seres ignorantes em assassinos obedientes, controláveis e repetidores daquilo que essas elites e governos elegem como "Verdade".

O que as pessoas precisam entender de uma vez por todas é que: 

As Pessoas que estão por nos bastidores que tornam possível as produções de Hollywood, que patrocinaram o nazismo, o comunismo  e ambos os lados de todas as guerras, são sempre as mesmas, das mesmas famílias e hoje estão por detrás do sistema que chamamos "capitalismo" e graças a um sistema de mídia massificada e algumas tecnologias domésticas, temos como falsa referência de "evolução", "civilidade" e "liberdade".

O método de controle mental e doutrinação criado pelo cinema, foi e é tão eficiente, que até hoje é usado e dessa maneira em pleno século XXI, um dia depois dos "atentados a torrês gêmeas" em 11 de setembro de 2001, realizado pelo serviço secreto do próprio governo americano e israelense (mas vendido pelas mídias e governos do ocidente como um "atentado terrorista árabe"), milhões de voluntários faziam fila para ir ao oriente médio "matar" e "torturar" gente que não tinha nada a ver com a história.

Assim sendo, da mesma maneira que o processo de manipulação das massas para a guerra é realizado, também é feito para outras finalidades com as mesmas receita e técnicas, como por exemplo, a aceitação quase sem questionamento de um sistema financeiro que imprime cédulas de papel moeda sem valor para que as pessoas se escravizem e vendam seu tempo para ganhá-las, juntá-las e depois troquem por bens, "liberdade", aquisições materiais e "segurança psicológica".

Esses papéis-moeda sem valor, para ter algum valor, saem de suas fábricas ou "bancos centrais" já valendo não por que exista ouro nos bancos que possa representá-los, mas graças a serem DÍVIDAS, que são conhecidas como "créditos", que as pessoas aceitam pagar, simplesmente por que não realizam como esse sistema funciona e uma vez tendo suas barrigas cheias e seus instintos de medo, sexo, mentiras e negatividades pelas quais estão doutrinados, saciados, se contentam em ser "apenas o "publico", os "telespectadores" e "contribuintes", a "platéia" da administração do mundo, da mesma maneira que um bando de fanáticos aceita simplesmente "torcer" para um time ou acompanhar todos os dias há mais de 40 anos a mesma novela, como se assim sanassem suas profundas frustrações por não serem "esportistas", "idolos" de uma torcida ou um "galãs de novelas" que deixa qualquer um "louco de desejos".

Uma das maiores obras primas dessa indústria satanista de cinema é o filme:

"O Mágico de Oz", baseado no livro do norte americano L. Frank Baum.

No livro o mágico é apresentado como morador da "Cidade das Esmeraldas" fundada por ele mesmo, um mundo fantástico povoado por diferentes povos e bruxas ao leste e oeste. Ali ele chegou através de um balão desgovernado e para proteger-se das bruxas, com técnicas ilusionistas fingiu ser um exímio feiticeiro, até que seu segredo é descoberto pela garota Dorothy que no cinema foi representada por Judy Garland, mãe da atriz Liza Mineli.

Na película a história é mais ou menos a mesma com algumas mudanças e alguns detalhes diferentes.


O filme começa em preto e branco na fazenda dos tios de Dorothy onde a vida no campo e as travessuras do cão da menina (totó) são o tema central.

Graças a uma das travessuras de Totó no jardim da temida vizinha que por acaso é dona da maior parte daquelas terras (oligarquía e domínio do sistema), o cão é arrancado da menina para que a rica vizinha, graças a um "papel" e uma "lei" que lhe garantem tomar posse do cãozinho, possa então levá-lo e sacrificá-lo (ditadura carnívora e assassina da espécie humana ante a espécie animal).

Totó logra escapar da temível mulher e volta pra casa encontrar Dorothy, que por medo do "rigor da lei" para com seus tios e a possível perda da fazenda da família para a malvada vizinha, decide fugir de casa. (nessa parte sempre me pergunto se isso não era uma preparação mental para o grande assalto e roubo que o sistema bancário atual tem praticado através das hipotecas impagáveis que faz com esses bancos através de uma "lei" possa arrancar as pessoas de suas casas e tomar seus bens).



Nessa fuga,  Dorothy vai em direção a uma estrada, onde em frente uma ponte com um formato de pirâmide, conhece a carroça do Dr. Marvel, um "Mago" que claramente é um charlatão que conhece as "cabeças coroadas da europa" e lê a bola de cristal para Dorothy.


Interessante reparar a quantidade de símbolos maçônicos e de ocultismo satanista que há dentro da então tenda onde vive e trabalha o Professor Marvel. Depois de saber "através da bola de cristal" (na verdade o mago rouba uma foto da cesta de Dorothy) que sua tia Ema está sofrendo muito, Dorothy decide voltar a casa com Totó e quando chega é apanhada por um furacão que a faz desmaiar na própria cama e leva a casa da fazenda (com ela já desacordada), para dentro do tornado.

É interessante também reparar que nesse momento dentro do Tornado, as pessoa do elenco do filme vão passando em frente a janela de Dorothy como se fosse uma televisão. Não parecem reparar e perceber que estão dentro de um furacão e a comprimentam como se estivessem levando suas vidas e realizando seus afazeres normais de sempre enquanto Dorothy segue "desesperada" por despertar e ter consciência de que tudo está sendo tragado num maremoto de vento. 

Quando o tornado enfim se acaba, Dorothy se encontra num outro mundo, já não mais preto e branco e sim bastante colorido, diferente de tudo o que conhecia naquele Kansas de tonalidades grises. Ali ela é recebida por uma fada que se apresenta como uma "bruxa boa", que então apresenta a Dorothy aos habitantes do lugar, os Muchkins, seres anões, ingênuos, pequenos e inocentes que apesar do medo e da seriedade, agem como CRIANÇAS ("vinde a mim as criancinhas pois delas é o reino dos céus"). (Existem centenas de milhares de rumores e informações a nível "conspiranóicos" sobre os bastidores do filme, um deles é a de que um dos anões se enforcou durante a gravação).

Depois de conhecer uma "bruxa-boa" e os Muchkins, 

Dorothy descobre que sua casa ao aterrisar do tornado, matou a bruxa do Leste que era uma bruxa má. Para poder retornar a sua casa ao Kansas ela tem de encontrar o famoso "Mágico de Oz" na Maravilhosa Cidade das Esmeraldas, onde para chegar deve seguir a estrada dos tijolos amarelos.



Palavras-chave, bastante usadas nos processos de hipnose e comunicação subliminal com mensagens ocultas recheiam o filme do começo ao fim.


Para qualquer um que tenha estudado ou conheça um pouco de ocultismo, hipnose, controle mental, a Agenda Milenar das elites fica clara como água desde a chegada de Dorothy ao Fantástico Mundo de Oz e seus coloridos psicodélicos gritantes.


Desde a ameaça russa da guerra fria representada pela roupa dos soldados da bruxa má, até o mantra "não há lugar como a nossa casa" que depois de toda aventura, Dorothy descobre que bastaria repetir várias vezes batendo o sapatos de rubi, para voltar ao Kansas, são em verdade pílulas de convencimento para manter as pessoas como "massa de manobra", eternos espectadores com a ilusão de que sabem e controlam em suas próprias vidas o que é "realidade" e o que é "ficção".

Vale acordar que o filme foi feito no ano de 1939, depois da primeira guerra, quando diversos países da europa, principalmente Espanha há vários anos, se encontravam em guerra civil. Esse ano também foi o marco inicial da 2ª grande guerra que levaria o domínio de praticamente toda europa baixo o domínio da Alemanha de Hitler (O IIIª reich, assim como o império romano, o império espanhol das américas e o império colonizador de exploração inglês assim como o capitalista americano, sempre foram o mesmo movimento e projeto, que hoje conhecemos como Nova Ordem Mundial).

Durante seu caminho pela estrada de tijolos amarelos Dorthy conhece 3 personagens principais que são:

O Espantalho, o Homem de Lata e o Leão Covarde (esse inclusive com toda uma conotação carismática gay, que na época possivelmente não era percebida como pode ser hoje em dia graças ao inúmeros movimentos de manipulação que usam a temática gay como "direitos" "evolução" e "cidadania", dando a entender que pessoas necessitam de "Leis" especiais por suas preferências sexuais, como se ser humano não bastasse). 

Da mesma maneira que a garota pretende conseguir do Mago um balão para voltar a casa, convence esses três a lhe acompanharem com a promessa de que o "bondoso" mago lhes dará tudo aquilo que lhes falta, que no caso do Espantalho se trata de um cérebro, para o homem de lata, um "coração" e para o leão covarde, o "valor" e a "coragem". E assim os quatro mais o cão Totó, seguem pela estrada de tijolos amarelos, na crença de que o Maravilhoso Mago lhes realizará os desejos e lhes atenderá seus pedidos. ("sempre alguém fora de você mesmo deve realizar seus sonhos")

Em minha humilde análise e percepção, "Espantalho sem cérebro", "Homem de Lata sem coração" e "Leão covarde sem coragem", são exatamente os tipos de personalidades que predominam nos estereótipos de nossa atual sociedade, principalmente naquelas pessoas que elegem empregos públicos ou o corporativismo empregatício como forma de suprir suas necessidades e subsistência e uma vez conseguindo atingir esses objetivos, desistem de evoluir para apenas envelhecer e morrer baseado em crenças e não em conhecimentos.

Depois de todas as aventuras que juntos vivem, passando por um jardim de flores coloridas criadas pela bruxa má, que os faz adormecer no meio do caminho (cena essa que não pude deixar de relacionar com a juventude e sua relação com a maconha que gera uma preguiça que ajuda a manter os jovens em suas atmosferas de "rebeldia sem causa" e não envolvimento com a adminsitração pública?) descobrimos que todo o tempo o grupo está sendo assistido e monitorado desde uma imensa bola de cristal pela fada, ou "bruxa boa"que então cria uma nevasca que os faz despertar graças ao frio e assim seguir o caminho de volta ao encontro do Mágico de Oz. (anjos da guarda, que por vezes geram sofrimentos para despertemos e evolucionemos).

Depois de todas as perseguições e tentativas de boicote a Dorothy e seus amigos, feitos pela bruxa do Oeste (que também era "má", era irmã da bruxa do leste e promete vingar a morte desta) O grupo consegue chegar ao Castelo do Mago, onde depois de muito insistir são recebidos dentro do castelo e preparados para uma audiência com então "magnifíco", "poderoso" e "maravilhoso" Mágico de Oz.



Nessa preparação vemos um câmbio fenomenal de vida e tratamento para Dorothy e seus amigos. 


Depois de todas as desventuras, perrengues, mal tratos, medos e desafios que viveram pela estrada de tijolos amarelos, estão dentro daquilo que considero a ponta da pirâmide social ou a "Elite", que no filme é muito bem representado como a "Casa do Mago". Massagens, tratamentos de beleza, mimos, comidas de todos os tipos, o cavalo que muda de cor junto com a música, o baile, a recepção das pessoas, tudo é brilhante psicodélico e deslumbra os sentidos, o passado e a origem gris negra e branca que vemos no início do filme nas cenas do Kansas, são praticamente esquecidas ou encobertas pelos eventos e entretenimentos que acontecem na casa do Mago.

Depois de muita enrolação e balé musical, os 3 adentram uma sala, cheia de luzes, fogos, pirotecnias e encontram a projeção daquilo que acreditam ser o Maravilhoso Mágico.



Curioso é que essa projeção de uma cabeça que nos indica ser o Mágico de Oz tem o mesmo formato de um Espírito que dizem, guiava e auxiliava Aleister Crowley, o Homem que ficou conhecido como o "Maior Satanista de Todos Os Tempos" ou Pelo Menos de Nossa Era. 


Essa cabeça é um espectro astral que muda de cor entre fumaças e relâmpagos, que fala com uma voz que retumba por toda a sala, dando a exata impressão de que o mago habita uma outra dimensão e de que aquele é um "portal sagrado".  O mago é arrogante, prepotente, mesmo com todo o venerável respeito dos quatro, os trata mal, diz que não poderá ajudá-los, que voltem outro dia (exatamente como as esferas do poder político e burocracia fazem com os cidadãos comuns) mas Dorothy depois de tanto trabalho, sentindo sua dignidade ferida, insiste em que o mago os atenda e inicia com ele uma discussão.




Grande é a surpresa de Dorothy e seus amigos Espantalho, Homem de Lata e Leão Covarde, quando durante sua discussão com o Mago, o cão totó, indo até um canto da sala, puxa com seus dentes uma cortina, onde dentro há um homem operando uma mesa com uma parafernália de efeitos especiais, que ao ser surpreendido, parece ficar desesperado. Ao se ver descoberto, o Homem ainda tenta fehcar a cortina e dizer a frase que se tornou célebre aos adoradores do filme que é:

"O Grande Oz está falando! Não Prestem Atenção no Homem que está Atrás das Cortinas!!!" 




Mas é tarde. Dorothy percebe que o homem operava tudo para criar as impressões dos efeitos especiais que passavam naquela sala e ele então sem graça ele se apresenta e para a decepção de todos, assume ser ele o "Mágico de Oz" e de maneira carismática, elegante, simpática e inteligente revela toda a farsa que confirma ser o Mágico de Oz um engenhoso Charlatão mentiroso.




Uma das frases mais importantes e subliminares do filme nesse momento é quando o homem questionado por Dorothy e seus amigos por ser um impostor e um homem muito mal, por operar toda aquela mentira e fazer as pessoas acreditarem, diz:

"Não querida, eu não sou um Homem Mal, sou um Homem muito bom, mas sou apenas um Mago muito Malvado".



É assim que fomos e ainda somos doutrinados e manejados enquanto massa de manobra de uma elite basicamente assassina que tira ordem do caos.

Nossas escolas e universidades, todas as estruturas que nos dão "conhecimentos" nos fizeram "educados" para ridicularizar automaticamente, todos aqueles que questionam quem é "O Homem que está por detrás das cortinas". Não deve ter sido a toa que ele foi descoberto pelo cão Totó, uma vez que os animais não são prisioneiros de suas mentes.

Mas o fato é que se você abrir sua mente, começará a entender perfeitamente, o que existe por detrás do arco-iris: Veja o vídeo abaixo e entenda o que minhas pesquisas e fontes de informação querem dizer.



Dizem que a famosa banda de rock progressivo Pink Floyd tinha o filme "O Mágico de Oz" como um de seus objetos de adoração e foi descoberto aquilo que chamamos "The Dark Side of The Rainbow" (um trocadilho entre a música tema de Dorothy "somewhere over the rainbow" e o disco da banda "Dark Side of the Moon).


A banda até hoje nega veementemente, mas foi descoberto por fãs e diversos entendidos do assunto que o Albúm de pink floyd sincroniza com diversos momentos importantes do filme. Tanto os membros da banda Pink Floyd assim como Led Zeppelin e dezenas de outras bandas e artistas que formavam o "Show Bussiness" de décadas atrás, foram seguidores, admiradores ou até discípulos de Aleister Crowley e muitos afirmam, que eles também eram praticantes de rituais satanistas.



Abaixo seguem exemplos das cenas de o Mágico de Oz e as Músicas do disco The Dark side of The Moon, assim como a compilação de the dark Side of the rainbow feita no youtube:


Coincidências

Alguns exemplos das coincidências entre as duas obras.

[editar]Áudio-visual

  • A introdução Speak to Me muda para Breathe de acordo com a mudança do nome nos créditos iniciais.
  • Breathe muda para On the Run quando Dorothy cai do muro.
  • A cauda do cachorro Toto se move conforme os ruídos em On the Run.
  • Quando Dorothy canta pela primeira vez no filme, ela olha para o céu enquanto são ouvidos sons de avião na música;
  • Os sons de relógios na introdução de Time começam a tocar assim que Elvira Gulch aparece na bicicleta, e cessam assim que ela desce da bicicleta.
  • The Great Gig in the Sky se inicia assim que o tornado se aproxima, e suas mudanças de ritmo combinam com o clima no filme.
  • Money tem início logo quando Dorothy abre a porta para o mundo de Oz, e o filme deixa de ser preto-e-branco e se torna colorido.
  • As bailarinas dançam ao ritmo de Us and Them.
  • Quando a bruxa má aparece , a música fala "black", referencia à sua roupa preta.
  • Quando a bruxa má morre, escuta-se gritos do começo da música 'Speak To Me - Breathe'.

[editar]Letras

  • Tia Em aparenta dizer "leave" ("parta") para Dorothy, ao mesmo tempo em que é dito o verso "leave, but don't leave me" ("Vá embora, mas não me deixe") em Breathe.
  • "Look around" ("Olhe ao redor") - Dorothy olha ao redor
  • "And all you touch and all you see" ("Tudo que você toca e tudo que você vê) - Dorothy segura o braço de um do personagens.
  • "Dig that hole" ("Cave o buraco") - o fazendeiro aponta para o chão.
  • "Balanced on the biggest wave" ("Balançar-se na maior das ondas") - Dorothy se balança em um muro.
  • "Share it, fairly" ("Compartilhe, generoso") - um Munchkin dá flores para Dorothy.
  • "Moved from side to side" ("Se moveram de um lado para o outro") - os Munchkins correm de um lado para outro quando surge a Bruxa Má do Oeste.
  • "Black and blue" ("Preto e azul") - quando é dito "black", a bruxa é vista, com sua roupa e chapéu pretos, e quando é dito "blue" aparece Dorothy, com sua roupa azul.
  • "With… without" ("Com… sem") - Em "with", Dorothy está com Toto nos braços, e coloca-o no chão conforme é dito "without".
  • "home…home again" ("em casa…em casa de novo") - Quando Dorothy volta para casa.

Não é minha intenção apenas afirmar a Verdade sobre o Mágico de Oz ou Sobre Hollywood e suas conexões profundas e viscerais com o satanismo desde suas primeiras origens, mas é minha intenção por o dedo no fundo do senso crítico das pessoas. 



Que planeta é esse e que habitantes desse planeta somos nós, que permitimos que um sistema financeiro escravizante opressor gaste milhões e bilhões em entretenimentos com efeitos especiais para deslumbrar nossos sentidos durante 2 horas em uma sala escura comendo pipoca e não exige que façam o mesmo pelo fim da fome e da miséria, nos países pobres? 

Que cultura é essa que criamos, alimentamos e sustentamos, onde todos através de seus estilos de vida e busca materialista, se permitem financiar guerras, permitem que essas aconteçam ao gosto de seus diatdores e mentirosos governos (mesmo contra a vontade geral das pessoas), ao invés de buscar respostas, equilíbrio, conhecimento e mais que tudo compartilhar esse conhecimento com o mundo para que esse seja governado pela vontade da maioria e não por uma ditadura midiática ou "democracia" mentirosa que sacrifica as pessoas para priorizar a existência de "Bancos" e um governo elitista que assassina pobres?

Que países são esses que dão programas de televisão e novelas para seus cidadãos serem adestrados e se distraírem, enquanto noticiam violência em jornais e não trabalham para diminuir menos ainda para acabar com essa violência responsável pela grande tiragem de vendas de todas as notícias? 

Que pessoas são essas que se dizem boas cidadãs por que pagam em dia seus "impostos", mas aceitam respeitar "religiões" que sempre mataram, roubaram e extorquiram como fazem até hoje, em nome da fé, de "deus", da doutrinação mental, ou do que quer que seja. 
Que Pessoas são essas ou que pessoas somos nós, que aceitam e toleram a manipulação e mentira das mesmas religiões que usam as mesmas histórias com as mesmas mentiras para atingir sempre os mesmos objetivos (dinheiro, pedofilia e poder), sem que essas jamais tenham de pagar impostos?

Ainda que você desdenhe, ainda que você tente ridicularizar pesquisadores como Eu (que são cada vez mais numerosos e chegam quase sempre as mesmas conclusões e descobertas), Para qualquer um que tenha a mente aberta e livre de compromissos com opiniões, impressões e expectativas: Fica mais que claro que toda nossa cultura de uma maneira geral mas principalmente a nossa cultura religiosa e cinematográfica que tem a Igreja Católica, o Vaticano, a Bíblia, as Religiões Evangélicas e Hollywood como pano de fundo, "Ícone" de referência e qualidade é um imenso caldeirão de um ritual satanista, que tem como resultado a nossa conformidade em ser "eternos espectadores", "Pessoas Civilizadas" e "Obedientes" com a crença enraizada de que não podemos mudar nada, por que se pudéssemos "alguém" (menos você mesmo) "nos avisaria", "nos ensinaria", "já o teria feito". 

Que Deus abençoe você leitor que chegou bondosamente até o final desse texto. Que a humanidade desperte para a Verdade.

Por Ruy Mendes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, note que os comentários são moderados e que todos
os spams, insultos, proselitismo e discursos de ódio serão removidos.