quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

10 Costumes Sexuais Chocantes pelo Mundo


A sexualidade está estritamente ligada aos costumes, valores, a religiosidade e à cultura de forma geral. Já é comum de certa forma dentro de uma mesma cultura haver diferentes concepções a respeito do sexo e suas vertentes e quando se pensa em culturas diferentes a discrepância chega a ser enorme. Para ilustrar isso vejamos alguns costumes sexuais bastante diferentes pelo mundo afora: 

1 - Os Sambians: A tribo que bebe Sêmen - Papua, Nova Guiné


Para se tornar um homem nesta tribo primitiva, os meninos são retirados da presença de todas as mulheres com a idade de sete anos, vivendo com outros homens por dez anos. Durante os 10 anos, a pele é perfurada para remover qualquer "contaminação" por trazida por mulheres. Ainda por cima, eles são obrigados a ingerir o sêmen dos mais velhos, que é pensado para sustentar o crescimento e força. 
2 - Os Mardudjaras: Corte íntimo para alcançar a masculinidade - Austrália
A primeira parte deste rito Aborigene envolve uma circuncisão e depois a ingestão do próprio prepúcio. Depois de curado, o pênis é cortado longitudinalmente na parte de baixo, e às vezes até todo o caminho até o saco escrotal. O sangue é então gotejado sobre um fogo para purificá-lo. A partir de então, o macho vai urinar partir do lado inferior do pénis, em vez da uretra.
3 - Os trobriandeses: a tribo, onde as crianças começam a ter relações sexuais com 6 anos - Papua, Nova Guiné
Em uma tribo remota na Papua-Nova Guiné a sexualidade é tão comum que as mulheres podem mostrar interesse sexual tanto quanto os homens sem serem mal vistas e as crianças começam a ter relações sexuais muito jovens - Entre 6 a 8 anos para as meninas e entre 10 a 12 anos para os meninos - sem nenhum estigma social. 
4 - Saut d'Eau: A cidade onde você pode testemunhar rituais de vudu e amor - Haiti
Se você viajar para o Haiti e visitar as cachoeiras de Saut d'Eau, durante o mês de julho, você irá testemunhar um ritual bastante estranho. Praticantes de vodu fazem esta viagem a cada verão para adorar a deusa do amor. Imagine várias pessoas totalmente nuas se contorcendo e se esbaldando no barro misturado ou em cachoeiras com o sangue de vacas e de cabras sacrificadas.
5 - O Nepal: Uma comunidade onde os irmãos compartilham uma mesma esposa - O Himalaia
Os antropólogos chamam de poliandria fraterna quando um grupo de irmãos compartilham uma esposa. Este é o caso, no Himalaia, onde há pouca terra disponível para a agricultura e as famílias com mais de um filho que dividir suas terras se cada filho começasse sua própria família. Qual a solução? Encontrar uma única mulher para todos os seus filhos para que eles possam viver juntos como uma família e manter o tesouro da família intacto. Segundo  um documentário do National Geographic, este sistema funciona melhor quando a esposa agenda tempo com cada irmão.
6 - Wodaabee: A tribo onde os homens roubam as esposas dos outros - Níger

Na tribo Wodaabe do Níger, na África Ocidental, os homens são conhecidos por roubar um do outro esposas. O primeiro casamento Wodaabe é arranjado por seus pais na infância e deve estar entre os primos da mesma linhagem. No entanto, no Festival anual de Gerewol, os homens Wodaabe usam maquiagem e figurino elaborado e dançam para impressionar as mulheres e esperam roubar uma nova esposa. Se o novo casal é capaz de roubar sem ser detectado, então eles se tornam socialmente reconhecidos. Estes casamentos subseqüentes são chamados casamentos de amor. 



7 - Antigos faraós egípcios: a masturbação pública


De acordo com Sex and Society, os egípicios acreditavam que o fluxo do Rio Nilo foi causado pela ejaculação de Atum (o deus da criação). Este conceito estimulou vários faraós egípcios para praticarem o ritual de se masturbar no Nilo para garantir uma abundância de água". Os antigos egípcios foram tão inspirados pelo ato de auto-estimulação que no festival do deus Min, que representa a potência sexual do Faraó, os homens se masturbavam em público.
8 - Grécia antiga: onde a homossexualidade era completamente aceita
A sociedade grega não distinguia o desejo sexual ou o comportamento do gênero dos participantes, mas sim o papel que cada participante tinha no ato sexual, o do penetrador ativo ou o passivo penetrado. Esta polarização ativo / passivo correspondia com dominante e submisso papéis sociais: o papel (com penetração) ativa foi associada à masculinidade, status social mais elevado na idade adulta, enquanto o papel passivo foi associada com a feminilidade, status social inferior. 
9 - Grécia Antiga: Quando pederastia foi a convenção social
A forma mais comum de pessoas do mesmo sexo entre homens na Grécia foi "paederastia" que significa "amor menino". Era uma relação entre um homem mais velho e um jovem adolescente. Um menino era considerado um "menino" até que crescesse uma barba cheia. Em Atenas, o homem mais velho era chamado erastes, e tinha que educar, proteger, amar e fornecer um modelo para seus eromenos, cuja recompensa por ele estava em sua beleza, a juventude, e promessa. Amar um menino com idade inferior a de 12 era considerado inadequado, mas não existe nenhuma evidência de quaisquer penalidades legais ligados a este tipo de prática. 
10 - Cultura iraniana moderna: Onde você pode ter um casamento temporário, se você pagar por isso
Nós todos sabemos que as práticas muçulmanas estão entre as mais estritas quando o assunto é relação sexual e os costumes entre homens e mulheres. Por exemplo, os casais muçulmanos só estão autorizados a fazer sexo em uma posição. É considerado impróprio para um homem perguntar a qualquer outro sobre sua esposa. Entretanto, em alguns países muçulmanos, como o Irã, um jovem casal que gostaria de fazer sexo antes de estarem prontos para se casar podem solicitar um casamento "temporário". "Eles são autorizados a pagar por uma cerimônia curta, com um contrato escrito e ditar a quantidade de tempo que eles ficarão casados. Assim que isso for feito, eles podem ter relações sexuais sem contradizer a lei islâmica.

Um comentário:

  1. Meu que loucura !!!! quanta aberração se vé pelo mundo afora heim !! Ainda bem que nasci em um país de pessoas normais ,ou quase normais rsrsrsr.. Ainda bem que DEUS nos ensina sobre moral e dignidade ,e isso é tudo de bommmmmmm !!.

    ResponderExcluir

Por favor, note que os comentários são moderados e que todos
os spams, insultos, proselitismo e discursos de ódio serão removidos.