sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Ke$ha "Die Young" e o Massacre em Sandy Hook



Lançado em meio a muito estardalhaço no mês passado, o vídeo e a música "Die Young" de Ke$ha, que havia sido um grande hit nos EUA, culminando com o segundo lugar na Billboard, na realidade promove a morte, além do simbolismo Illuminati explícito que pode ser identificado no vídeo e em sua apresentação no X Factor Australia. Dissemos ainda que "Die Young" encontra-se em uma agenda específica de como promover a cultura da morte (ou seja, Morrer Jovem "Die Young") e sexualizar tudo (veja o artigo intitulado O Simbolismo Illuminati em Ke$ha "Die Young" e Como Ele Ridiculariza as Massas). O vídeo de Ke$ha "Die Young" foi, por exemplo, um dos vídeos Illuminati mais flagrantes já lançado. O simbolismo é tão evidente que tornou-se quase ridículo e forçou até mesmo fontes de música super populares como a Billboard.com"admitirem" que o vídeo realmente tinha símbolos Illuminati.
 Agora, após um mês de bastante estardalhaço, o single da cantora está fazendo manchete novamente, desta vez por um motivo negativo, no entanto. Após o massacre na escola infantil em Newtown, EUA, na semana passada (que espera eu que não seja mais um mega-sacrifício), o single começou a rapidamente cair nas rádios. Os medidores de audiência das músicas na rádio ficaram surpresos com a repentina e acentuada queda de audiência da música nos EUA. Porém, é óbvio que em uma nação consternada após mais um massacre em escola (dessa vez envolvendo crianças pequenas), escutar ou cantar um refrão como "Nós vamos morrer jovens", "Nós vamos morrer jovens" não tem nenhum cabimento. Na verdade, esse tipo de música não deveria ser cantada em nenhum momento sequer, pois, embora seja "apenas uma música", ela carrega, transmite significado e começa a fazer parte da subjetividade de seus ouvintes .
Após perceber que seu single estava sendo derrubado nas rádios, imediatamente, Ke$ha escreveu em seu Twitter (provavelmente como uma forma de tentar amenizar a situação):
"Meus sentimentos mais profundos para as pessoas em Newtown, Connecticut."
Entretanto, a música começou a ser excluída das rádios ainda mais. Na última terça-feira, a mídia começou a falar de como a canção perdeu 19 milhões de ouvintes após o massacre, o que provavelmente forçou a artista a tuitar novamente:
Ke$ha em seu twitter (18/12) - o tuíte foi removido 
porque deve deixado os "chefes" furiosos.
 
Eu sinto tanto por aqueles que foram afetados por essa tragédia e eu entendo porque minha música é inapropriada agora. Palavras mal podem expressar.
Eu entendo. Eu tive meus problemas com "Die Young" por essa razão. Eu NÃO queria cantar essa letra, mas eu fui forçada.

Ke$ha foi forçada cantar a letra da música "Die Young"? É mesmo? Por quem? Acho que não é novidade para os leitores deste site que artistas mainstream são forçados a se vestirem daquela maneira, falarem daquela maneira, cantarem aquelas músicas e espalharem aqueles símbolos. Ke$ha é apenas mais uma "marionete nas mãos dos mestres das marionetes", e o vídeo de "Die Young" é mais um exemplo de que a ideia original da música e do clipe nunca foi de Ke$ha, mas de uma grupo de pessoas que trabalham por de trás desses artistas. Esse é o motivo pelo qual encontramos os mesmos símbolos em tantos trabalhos musicais nos últimos tempos.
Mas a pergunta que não quer calar é: Será que "Die Young" teve alguma conexão com o massacre em Sandy Hook? Será que a música era mesmo uma referência a algo que estava para acontecer? Veja bem: Ke$ha foi forçada a fazer essa/esse música/vídeo, encharcada(o) de simbolismo Illuminati, que foi a primeira música a ser lançada, foi um sucesso de rádio, o vídeo "glamourizou" a morte e o sacrifício e, também, acabou precedendo um massacre brutal de crianças em uma escola. Será que havia alguma conexão ali? Será o massacre em Sandy Hook mais um mega-sacrifício e a canção de Ke$ha uma "pista" para esse evento? Como visto em artigos anteriores neste site, por motivos cabalísticos, mega-rituais são geralmente precedidos por "pistas" nos meios de comunicação, de aviso ou preparação das vítimas (e do mundo) para o que está por vir. 
Obviamente, nem tudo é uma conspiração e não há ainda evidências para supormos que Sandy Hook foi uma mega-ritual. No entanto, o que Ke$ha tuitou prova que os produtores dessa canção tinham um objetivo específico e obscuro quando "forçaram" a artista a lançar uma música com essa letra. Parece que a coisa está ficando cada vez mais explícita que nem eles mesmos estão dando conta de escondê-la. Leia abaixo o artigo da Billboard sobre o ocorrido.
Ke$ha foi forçada a 'cantar' Letra de "Die Young", Ela tuíta
Com "Die Young" de Ke$ha retirada de um monte de estações de rádio, depois da tragédia do tiroteio em Newtown, Connecticut, a cantora da RCA Records fez sua própria crítica sobre a canção de sucesso na terça-feira. 
 "Eu entendo. tive meus problemas com "Die Young" por essa razão.", ela escreveu no Twitter na noite de terça-feira. "Eu NÃO queria cantar essa letra, mas eu fui forçada".
 O tuíte foi excluído não muito tempo depois. Um representante da RCA não tinha retornado  um pedido de comentário até o momento. Não ficou claro até o momento quem ela poderia ter alegado tê-la "forçado" cantar as letras. Ke$ha assina a música ao lado de  Fun.'s Nate Reuss e os produtores Dr. Luke, Benny Blanco e Cirkut. Luke também é o chefe da Kemosabe, o selo que libera seus álbuns através da RCA. Ela é dirigida pela Vector Management. 
 
Ela dirigiu-se aos eventos de Connecticut mais diretamente com seu tuíte seguinte, que continua publicado.
 
"Eu sinto tanto por aqueles que foram afetados por essa tragédia e eu entendo porque minha música é inapropriada agora. Palavras mal podem expressar.", ela tuitou.
 
O diretor do programa de rádio da WDAQ e apresentador matinal Rich Minor disse à Billboard.com que a música não estava mais em rotação na estação de Danbury, Connecticut. 
 "Estávamos tocando até antes de sexta-feira, mas não depois e eu acho que nós não tocaremos mais", disse ele. "Mesmo que seja uma música pop/dance divertida sobre aproveitar o momento, tudo o que as pessoas vão ouvir agora é aquelas duas palavras no título." 
 Ele também removeu "Pumped Up Kicks" do grupo Foster the People's, voltando-se, ao invés, para faixas que incluem Eric Clapton "Tears in Heaven" e Bette Midler "Wind Beneath My Wings". "Die Young", em 3º no Hot 100, cai para a posição 2ª na paradas pop desta semana, depois de uma queda de 11% em tocadas nas rádios, na semana cobrindo 10-16 dezembro. O tiroteio, que custou a vida de 20 crianças e seis adultos na escola fundamental Sandy Hook, além do atirador e sua mãe, foi sexta-feira, dia 14 de dezembro. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, note que os comentários são moderados e que todos
os spams, insultos, proselitismo e discursos de ódio serão removidos.