segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Análise do Simbolismo Oculto das Cerimônias de Abertura e Encerramento das Olimpíadas de 2012


Assistidas por quase um bilhão de telespectadores em todos os cinco continentes, as cerimônias olímpicas de 2012 foram, por algumas horas, o foco do mundo. Como é o caso da maioria dos eventos de alto perfil da mídia, mensagens da elite mundial, símbolos e de sua agenda faziam parte do show. Cerimônias olímpicas estão muitas vezes entre os eventos de televisão mais assistidos do planeta. Elas são uma oportunidade excepcional para os países sedes mostrarem sua grandeza por meio de um show grandioso, elaborado e maciço. O Jogos Olímpicos de Londres 2012 não foram exceção, visto que a história da Inglaterra, sua cultura e suas conquistas foram bastante comemoradas e aplaudidas. Alguns momentos foram maravilhosos, outros eram engraçados, alguns eram sombrios e até mesmo perturbadores. Outros momentos foram altamente simbólicos, refletindo a agenda da elite oculta. Visto que Londres é uma das capitais do poder do mundo, teria sido mais surpreendente se o simbolismo e filosofia dessa elite mundial não tivessem sido administrados durante as cerimônias.

Claro que nem tudo era simbólico, nesse sentido, e nem tudo estava na cara, mas ao longo das várias horas que as cerimônias duraram, uma boa dose de simbolismo foi comunicada a bilhões de telespectadores ao redor do mundo. Vamos olhar para os momentos mais simbólicos do Jogos Olímpicos de Londres 2012.
 
Cerimônia de Abertura

As cerimônias foram projetadas e coordenadas por Danny Boyle, diretor dos filmes "Trainspotting - Sem Limites" e "Quem Quer ser Milionário?". Entitulada de "Ilhas da Maravilha", a cerimônia de abertura focou na história da Inglaterra e as pessoas que a influenciaram. A jornada começou na Inglaterra antiga e mítica, em seguida, viajou por meio da revolução industrial, terminando nos tempos modernos. A história foi contada através de símbolos específicos e referências que lembram o lado oculto da Grã-Bretanha.
 
Terra Verde e Agradável

O show começa na Inglaterra pastoral, preenchida com agricultores e jogadores de críquete. Há também muitos símbolos que fazem alusão à sua sabedoria antiga mística. O foco do show é uma colina que dizem que tem propriedades mágicas: Glastonbury Tor.

A mítica colina espiral chamada Glastonbury Tor com vista para a Inglaterra 
pastoral. Essa recriação do Tor tem um carvalho gigante no topo, uma árvore 
considerada sagrada pelos druidas celtas e representantes da Divindade Suprema.

Glastonbury Tor é um dos mais antigos locais sagrados na Inglaterra. Acredita-se que ela está na intersecção de "linhas geográficas poderosas", a Tor está relacionada com muitas histórias místicas e lendas. Por exemplo, é pensado ser o Avalon da lenda do Rei Arthur e seus 12 cavaleiros, uma história que está esotericamente associada com o sol e os doze signos do zodíaco. Outra lenda diz que José de Arimatéia, o tio-avô de Jesus Cristo, que era um comerciante de estanho, trouxe o jovem Jesus em uma viagem para Glastonbury. Mais tarde, ele voltou ao local e atirou o cálice usado por Jesus durante a Última Ceia (o lendário Santo Graal) em Chalice Well - uma área de Glastonbury, que é dito ter poderes mágicos. Os arqueólogos também descobriram que a construção da abadia de Gastonbury está envolvida com geometria sagrada", conhecida pelos construtores das pirâmides do Egito e transmitida através da "sociedade dos pedreiros" (os criadores da Maçonaria moderna).

A "real" Glastonbury Tor, e, no topo, a Igreja de São Miguel. O morro é o local 
de peregrinações cristãs e os rituais sazonais praticados pelos magos, bruxas,
 rituais pagãos, e de ocultismo e diversos festivais espirituais.

Glastonbury também é um nome de um festival esporádico que é realizado em uma arena em forma de uma pirâmide com o topo iluminado, que foi construída bem no meio do nada, na rural Glastonbury.

Por que mais construiriam um palco em forma de pirâmide em um local 
cercado de vacas e ovelhinhas na área rural de um local no meio do nada?

A presença de Glastonbury Tor, no estádio Olímpico forneceu um tom definitivamente místico e esotérico para a cerimônia de abertura.

Enquanto compatriotas lavravam a terra e corriam ao redor dos mastros (que, aliás, têm um significado oculto cósmico e fálico), um jovem rapaz no meio da multidão levanta-se e canta parte de um clássico hino inglês , "Jerusalém" de William Blake.

William Blake é frequentemente descrito como um "visionário", cujos trabalhos artísticos foram fortemente inspirados pelo gnosticismo, Druidismo, Maçonaria (e sua descrição do "Grande Arquiteto" segurando um compasso maçônico está no topo do Rockefeller Center em Nova York). Enquanto algumas de suas criações tinham conotações cristãs, muitas vezes elas eram contadas a partir de um ponto de vista gnóstico e esotérico. Jerusalém refere-se à história apócrifa descrita acima de Jesus visitar a "terra verde e agradável" de Glastonbury com seu tio-avô, José de Arimatéia.


E aqueles pés em tempos antigos
Ande sobre o verde das montanhas da Inglaterra?
E era o Cordeiro santo de Deus
Viu as pastagens agradáveis ​​da Inglaterra?

E foi o semblante divino
Resplandecido em nossas montanhas nubladas?
E foi edificada Jerusalém aqui
Entre estes moinhos satânicos sombrios?


O poema pergunta se Jesus andou na Inglaterra e fundou a Nova Jerusalém (como descrito em Apocalipse) entre "estes satânicos moinhos sombrios". Essa expressão enigmática é dita para se referir à revolução industrial da Inglaterra e aos edifícios sombrios que vieram com ela. Coincidentemente, a próxima parte das cerimônias de abertura descreve exatamente isso: A construção dos "moinhos satânicos sombrios".
 
A Revolução Industrial

Após o canto dos hinos, homens de cartola entram na terra verde e agradável da Inglaterra e trazem mudanças importantes.

Os homens de cartola levantam da terra e cumprimentam-se. Esse pequeno grupo
 da elite vai coordenar a revolução industrial e colocar as massas para o trabalho.

Os caras de cartola são liderados pelo engenheiro civil Isambard Kingdom Brunel, que fica na base da Tor e dá um discurso citando "A Tempestade", de Shakespeare. A árvore de carvalho, em seguida, sobe do chão e centenas de trabalhadores emergem sob a Tor e começam a transformar a paisagem da Inglaterra.

Neste ponto, há alguns fatos que merecem ser destacados. Primeiro, a lenda do Rei Arthur estipula que o topo da Tor providenciava entrada para Annwn, a palavra antiga para o submundo. Em segundo lugar, o nome oficial do segmento na revolução industrial é Pandemonium, que é o nome da capital do Inferno na obra clássica de Milton, "Paraíso Perdido". A palavra "Pandemonium" é uma combinação do nome de Pan (o deus grego chifrudo) e a palavra "demônio", tornando-se "Pan-demônio". Esses indícios indicam que Londres não se tornou a Nova Jerusalém (uma metáfora para o céu), como afirmado pelo hino de Blake, mas literalmente o inferno na terra. E todo esse pandemônio foi provocado por um punhado de homens da elite que fizeram que milhares de trabalhadores aparentemente emergissem do submundo e construíssem a Inglaterra industrial.

Os camponeses do país trabalharam em condições 
infernais para trazer à realidade a visão da elite.

Agora é um fato estabelecido que a derrubada das monarquias e o impulso para a revolução industrial durante o século 18 foi fortemente influenciada por sociedades secretas como a Maçonaria Grande Oriente e os Illuminati da Baviera, que pediram por um "livramento da ciência" e uma "Nova Era da Razão". Os homens de cartola que coordenam a transformação podem ser associados aos grupos secretos que historicamente engenharam um novo sistema econômico, político e social durante o século 18.
 
O desdobramento da "Pandemonium" é descrito através de dois grupos muito distintos:
 os "pensadores" da Elite que decidem e supervisionam o projeto e os "trabalhadores" que
 trabalham no campo e tomam decisões. Tudo isso acontece no estádio Olímpico, que é
 cercado por triângulos gigantes com o topo iluminado - um símbolo clássico que
 representa uma elite dominante acima das massas.

O produto final da Pandemonium é uma grande e confusa massa cinzenta 
cheia de "moinhos satânicos" e sete chaminés fálicas cuspindo fumaça.
  
Deixe as Crianças em Paz

A próxima seqüência importante da cerimônia foi a homenagem ao Serviço Nacional de Saúde (NHS) e ao Great Ormond Street Hospital (GOSH). O conjunto combinado de crianças doentes em leitos hospitalares com personagens da literatura infantil inglesa teve um tom muito estranho e sombrio desde o início, quando começou com o tema de "O Exorcista", que é, no caso de você não saber, um filme sobre uma criança possuída pelo demônio. Escolha estranha.

A seqüência começa com crianças em leitos hospitalares que são colocadas para dormir por enfermeiras. Então J.K. Rowling aparece e lê uma citação de Peter Pan aludindo à Terra do Nunca, que se torna real nos "dois minutos antes de ir dormir". Eu não posso dizer se isso foi feito de propósito, mas muitos elementos desse conjunto, principalmente a mistura de crianças vulneráveis ​​em um hospital com contos de fadas e o conceito de borrar as linhas entre a realidade e ficção, estão todos associados com a programação de controle mental. Como o Mágico de Oz e Alice do País das Maravilhas, a história de Peter Pan é muito utilizada na programação de controle mental, em que vítimas são orientadas a fugir para "Terra do Nunca", enquanto induzidas à dissociação da realidade.

A criança lendo Peter Pan. Na página, vemos um Capitão Gancho assustador de pé ao 
lado ... um garoto amarrado à cama? De acordo com Franz Springmeier, a programação
Monarca usa uma técnica chamada de "Programação Peter Pan", em que o
 Capitão Gancho representa o manipulador.

Depois da aparição de J.K. Rowling, hordas de vampiros e vilões da literatura inglesa entram no palco, correndo atrás das crianças e as assustando bastante.

Como se sob o encanto desta figura gigantesca de Lord Voldemort, esta jovem  paira com sua
cama bem alto acima do chão. Será que isso representa dissociação gerada pelo trauma intenso?

Enquanto os personagens malvados correm atrás das crianças, as enfermeiras ficam completamente imóveis e impotentes como se estivessem declarando "os profissionais de saúde não podem fazer nada quando o controle mental  da elite está acontecendo a portas fechadas".

Por sorte, um monte de Mary Poppins descem e afugentam os personagens assustadores. Então, um bebê gigante e bem assustador aparece no palco.

É só eu que acho ou o bebê gigante tem um "corte" grande na testa - 
representando que seu cérebro foi extraído (controle mental)?

A combinação estranha de crianças em um hospital e contos de fadas poderia ter sido uma maneira inteligente de combinar dois aspectos importantes da cultura britânica. Também pode ser uma forma doentil de se referir ao controle mental Monarca. Dessa forma, vamos trazer o Mr. Bean!
 
Abide With Me

Logo antes do Desfile das Nações, a cerimônia apresentou um segmento sombrio que confundiu e perturbou mais do que alguns espectadores. Supostamente dedicado às vítimas dos atentados de 7/7 de Londres, ele teve a sensação de ter sido um ritual escuro. Além disso, mais uma vez, vemos uma criança inocente que está sendo predada por forças das trevas. Apesar do fato de o hino cristão "Abide With Me" estar tocando no fundo, a apresentação teve uma sensação estranha, como se estivéssemos a assistir algum tipo de sacrifício oculto de crianças.

A cena começa com um grupo de artistas dançando febrilmente sob uma bola gigante laranja parecida com o astro dom. Em seguida, um menino aparece, um pouco perdido e confuso. Um dos dançarinos aproxima-se do garoto e parece tomar algo precioso dele.

O dançarino tira do menino uma bola imaginária, que pode 
representar sua força de vida ou talvez sua alma.

Uma vez que o dançarino leva a alma da criança, ele zomba do garoto e leva sua alma para longe dele. O menino tenta trazê-la de volta, mas não adianta, ele não pode fazer nada. Aparentemente, cansado e resignado, o menino abraça o dançarino que roubou sua alma.

Os menino abraça o homem que o perseguia e é finalmente integrado ao "lado negro".

No final da cena, a criança está no meio dos dançarinos e levanta as mãos para o ar como se dizendo: "Eu renasço com o lado escuro". Dessa forma assustadora e perturbadora, vamos trazer os atletas!
 
Nações e Chamas

Como é sempre o caso, o Desfile das Nações é feito de forma muito ordenada, com cada país entrando no estádio, separadamente, em ordem alfabética (vamos ver como ele contrasta com a cerimônia de encerramento). Cada bandeira foi colocada aos pés da Tor e do carvalho mágico.

Uma vez que foi realizada, a cerimônia se concentrou na tocha todo-poderosa do "fogo que nunca morre". O simbolismo oculto por trás do portador da tocha carregando a chama olímpica foi discutido no artigo Londres 2012: O Revezamento da Tocha Olímpica e Prometeu, então não vou me debruçar sobre esse aspecto, embora seja muito significativo.

O show terminou com o acendimento da pira olímpica, que foi composta de pétalas que representam cada nação presente durante os Jogos Olímpicos.

Visto de cima, o Estádio Olímpico parecia um olho
 gigantesco, cujas pupilas estava sendo iluminadas.

Combinado com as estruturas piramidais sempre presentes em todo o Estádio, o evento tornou-se um grande tributo à elite Illuminati. Duas semanas mais tarde, a cerimônia de encerramento levou o simbolismo dos Illuminati para outro nível.
 
A Cerimônia de Encerramento

Ao contrário da cerimônia de abertura que refletia sobre o passado, a cerimônia de encerramento olhou para o futuro ... como previsto pela elite. Não ao contrário da cerimônia de abertura, o encerramento contou com um monte de música britânica, e eu tenho quase certeza que as gravadoras pagaram um preço alto para ter seus artistas tocando nesse único palco mundial. Eu vou pular as apresentações musicais e concentrar-me na mensagem principal da cerimônia de encerramento: Celebrando a Nova Ordem Mundial dos Illuminati.
 
Louvor Illuminati

Ao contrário da cerimônia de abertura, a cerimônia de encerramento falou sobre as nações que se misturam para formar uma comunidade gigante global - um dos objetivos da Nova Ordem Mundial. Enquanto, no início dos jogos, os atletas entraram no estádio por trás de sua bandeira nacional e uma faixa com o nome de seus países, tudo isso desapareceu na cerimônia de encerramento. Todos estavam misturados.

Em seguida, assistimos a um segmento estranho.

Os artistas utilizaram blocos para construir uma pirâmide no 
centro do palco... e começaram literalmente a reverenciá-la.

"Todos nós nos prostamos diante da pirâmide Illuminati todo-poderosa".
 Este flagrante Illuminati durou vários estranhos minutos.

Imagine

As apresentações musicais começaram com uma música específica, de John Lennon, "Imagine", e um verso específico dele - que foi considerado, por alguns observadores, como sendo um pouco fora do contexto na cerimônia olímpica.

Como que para enfatizar as palavras ditas nesse versículo, John Lennon foi mostrado cantando.
 

Imagine não haver países
Não é difícil de fazer
Nada para matar ou morrer
E nenhuma religião também
Imagine todas as pessoas vivendo a vida em paz

Você, você pode dizer
Eu sou um sonhador, mas eu não sou o único
Eu espero que algum dia você se junte a nós
E o mundo será como um só

Imagine que não há posses
Pergunto-me se você puder
Nenhuma necessidade de ganância ou fome
Uma irmandade de homens
Imagine todas as pessoas compartilhando todo o mundo


Sob o palco que representa todos os países se "unindo
 como um", as crianças cantam "Imagine".

No contexto dos Jogos Olímpicos, onde as pessoas vêm de todos os países e todas as religiões, esse verso fico um pouco fora de contexto. Mais importante, nenhum país, sem religiões, sem posses e "um mundo como um" é uma boa maneira para descrever o sistema socialista mundial que elite está tentando criar com a Nova Ordem Mundial. Será que Lennon estava imaginando um grupo secreto de políticos e banqueiros criando o seu mundo perfeito? Provavelmente não. Mas quando você for morto por um bode-expiatório MK-Ultra, a elite pode muito bem fazer o que quer com seu trabalho e imagem.
 
Vamos Adorar a Chama por Meia Hora

Depois de um monte de performances (mostrando bastante de Jessie J, por algum motivo), a cerimônia fortemente focou na pira olímpica. Antes de ser extinta, ela abre um pouco e uma ardente Fênix aparece acima dela.

Como se estivesse emergindo do fogo produzido pelas pétalas (representando 
as nações do mundo), uma Fênix aparece acima do palco.

O símbolo da Fênix, a ave que renasce de suas cinzas, é extremamente importante para as sociedades secretas ocultas e, consequentemente, a elite ocultista.


"A Fênix é a mais célebre de todas as criaturas simbólicas fabricadas pelos antigos mistérios com o propósito de ocultar as grandes verdades da filosofia esotérica. (...) Hermetistas medievais consideravam a Fênix como um símbolo da realização de transmutação alquímica, um processo equivalente à regeneração humana. O nome Fênix também foi dado a uma das fórmulas secretas alquímicas. (...) Nos Mistérios era costume referir-se a iniciados como fênix ou homens que haviam nascido de novo, pois assim como o nascimento físico dá a consciência do homem no mundo físico, então o neófito, depois de nove graus no ventre dos Mistérios, nasceu em uma consciência do mundo espiritual. Esse é o mistério da iniciação a que Cristo se referiu quando disse: "Aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus" (João 3.3). A Fênix é um símbolo apropriado dessa verdade espiritual. "
- Manly P. Hall, Ensinamentos Secretos de Todas as Idades
 

Enquanto a Fênix representa o renascimento espiritual em um nível individual, ela também pode representar o renascimento do mundo inteiro a partir de suas cinzas - como uma Nova Ordem Mundial.

Este mural gigantesco situado no interior da Câmara do Conselho de Segurança
 da ONU, de Nova York, apresenta uma Fênix surgindo de um mundo em cinzas.

Logo após a aparição da Fênix acima da pira olímpica, a boy band Take That executou uma canção com um título meramente simbólico, considerando o contexto: dominar o mundo.
 
Com uma Fênix elevando-se acima de todas as nações como pano de fundo, Take 
That canta "Rule the World" (Dominar o mundo). Isso está ficando bastante evidente.

Após a canção, um grupo de bailarinos vestidos como fênix saltaram ao redor, como se estivessem reverenciando e dando homenagem ao pássaro de fogo sobre eles.

Louvando a Fênix de uma forma ritualística e celebratória.

À meia-noite, a pira olímpica e as pétalas que representam cada país vão lentamente se extinguindo, mas a Fênix, que representa a elite ocultista da Nova Ordem Mundial, permanece acesa acima dela. Em outras palavras, enquanto as nações do mundo desaparecem lentamente, uma Nova Ordem Mundial vai emergindo. Então, vamos ouvir o The Who!
 
Conclusão

As Cerimônias Olímpicas tradicionalmente mostraram a história da nação anfitriã e sua cultura, mas também celebra aqueles por trás dos jogos: a elite ocultista. Uma vez que Londres é uma capital de poder do mundo com uma rica história oculta que vai desde os Templários à influentes lojas maçônicas, e não esquecendo dos ocultistas proeminentes que aconselham a realeza, como John Dee e Sir Francis Bacon, você acha surpreendente ver esse aspecto da História sendo referido  simbolicamente?

Embora, obviamente, nem tudo durante as cerimônias olímpicas estar relacionado ao simbolismo dos Illuminati, havia uma abundância de elementos inseridos durante o passar da mensagem. No final, os Jogos Olímpicos, como muitos outros eventos de mídia, transformaram-se em um ritual em que todo o mundo celebrou os mega-objetivos e o simbolismo da elite mundial. Então, vamos trazer as Spice Girls!

Fonte: VC 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, note que os comentários são moderados e que todos
os spams, insultos, proselitismo e discursos de ódio serão removidos.