terça-feira, 27 de março de 2012

Katy Perry - Análise em Part of Me


Em 'Part of Me' seu videoclipe, Katy Perry enterra suas perucas e vestidos de látex para vestir um uniforme militar. Embora alguns possam achar essa mudança de estilo "inovadora", o vídeo de "Part of Me" tem uma agenda muito específica: atrair os jovens para se alistar nas forças armadas. Veremos como "Part of Me" é uma propaganda de três minutos de duração para recrutar novos soldados para as forças armadas dos EUA.

Katy Perry é geralmente conhecida por usar perucas azuis e vestidos sexy, mas ela desiste de tudo em "Part of Me". É, cuidado terroristas, Katy Perry é uma garota do exército agora. Enquanto os "críticos da cultura pop" parabenizou a mudança Katy Perry e sua imagem, qualificando-a como "inovadora", a maioria deixou passar um fato importante: Em "Part of Me", Katy Perry é usada para empurrar uma outra agenda da elite - o recrutamento de jovens no militarismo. Se olharmos objetivamente, "Part of Me" é, de fato, uma propaganda de três minutos e meio de duração, do tipo "junte-se ao militarismo", disfarçada de videoclipe. Este contém todos os componentes encontrados em anúncios regulares de TV para o exército: máquinas de guerra de alta tecnologia, emoção e ação e assim por diante. Porém o mais importante: ele apresenta o militarismo e, por conseguinte, guerra, como o escape perfeito do caos da vida regular.

O vídeo foi filmado em uma base real da Marinha dos EUA, usando soldados reais, o que significa que o vídeo é realmente uma "mensagem patrocinada" da Marinha. Ao apelar aos jovens usando cantores que eles admiram  e temas que eles podem relacionar-se, o exército dos EUA está procurando passar uma questão importante: levar as pessoas mais jovens a se alistarem. Há de fato uma crescente necessidade de  novo sangue nas forças armadas como o governo dos EUA e outros países ocidentais estão colocando pressão intensa sobre o chamado "Eixo do Mal" potências regionais como Irã e Síria. As numerosas expedições militares dos últimos anos (Iraque, Afeganistão, Líbia) e as chamadas contínuas para trazer os soldados alistados para casa que fizeram excursões múltiplas devem significar que enquanto os EUA se prepara para conflitos futuros, novos soldados são necessários se inscrever e ser embarcados para o exterior. Em vez de pagar por uma TV comercial de 30 segundos, especialistas em marketing militares provavelmente perceberam que poderiam obter melhores resultados, investindo no vídeo da música de uma estrela que é popular entre os adolescentes. Enquanto os comercias normais de TV "seja tudo o que quiser" foram eficazes no passado, a geração jovem de hoje assiste menos TV e mais YouTube. Então, por que não usar estrelas do pop que recebem centenas de milhões de visualizações no YouTube e que já são utilizadas para empurrar os outros aspectos da agenda da elite?
 
Não é um conceito novo

Um cartaz de 1917 do Tio Sam utilizado para 
recrutar soldados durante a Primeira Guerra Mundial

Os governos sempre usaram as formas mais avançadas de publicidade na mídia para atrair os cidadãos a se alistar no exército. Durante a I Guerra Mundial, a cara do Tio Sam foi rebocada por todo os Estados Unidos para recrutar novos soldados. No entanto, com o passar dos anos, e a televisão surgiu, cartazes do companheiro barbudo apontando para você com um olhar severo perdeu um pouco sua eficácia.

Durante os anos 1950, apesar de tentativas obrigatórias estarem em pleno vigor, os militares ainda procuravam oportunidades de boas relações públicas. Quando Elvis Presley, o artista mais quente e mais controverso da época, ingressou no exército como soldado regular, a imprensa foi dada "acesso completo", e ainda pôde tirar fotos dele enquanto era pesado.

A carreira de Elvis como um soldado foi muito divulgada, 
enquanto inúmeras fotos dele inundaram a mídia de massa.

O imenso charme de Elvis, carisma e popularidade deram uma visibilidade grande ao exército, seduzindo os jovens da geração "Rock'n'Roll" rebelde a se interessar nas forças armadas com sucesso.

Desde os anos 1950, técnicas de marketing têm melhorado em termos de eficiência e sofisticação. De fato, hoje, a melhor propaganda, muitas vezes se apresenta como uma não propaganda - na indústria da publicidade, as mensagens são conhecidas por serem recebidas de forma mais eficaz quando indiretamente alcançam um público que acredita que está sendo entretido. Para isso, celebridades e estrelas pop são frequentemente utilizadas como veículos para atingir as mentes dos jovens com mensagens específicas sem sequer perceberem. Katy Perry "Part of Me" é um exemplo dessa técnica, visto que em nenhuma parte do vídeo não está destacado que é uma propaganda para o militarismo dos EUA. O vídeo de Perry foi simplesmente utilizado pelos militares para atingir o seu público-alvo, os adolescentes que se aproximam da idade de alistamento, mas a coisa toda parece como se fosse uma decisão "criativa" da artista Katy Perry.

Assistir "Part of Me" imediatamente me lembrou do episódio de Simpsons em que Bart e seus amigos foram escolhidos por um produtor para formar uma boy band. O single de sucesso foi do grupo Yvan eht Nioj, que significa "Join the Navy"( Junte-se à Marinha) em sentido inverso. Foi descoberto mais tarde que o grupo de Bart Simpson foi utilizado pela Marinha para empurrar mensagens subliminares para os jovens, a fim de levá-los a se tornarem soldados.

O vídeo de Party Posse apresentou o grupo fazendo coisas legais do 
exército no Iraque, tais como dirigindo dunebuggeys e voando caças a jato.

Apesar de o vídeo de Perry se basear em imagens aberta ao invés de mensagens subliminares (até o ponto que eu sei), "Part of Me" é baseada na mesma agenda como retratado em Os Simpsons: atingir os adolescentes, usando o grande apelo das estrelas pop. Vamos olhar para as cenas mais importantes do vídeo.

Part of Me

O vídeo começa com um conceito que a maioria dos adolescentes pode se relacionar: Problemas amorosos. Katy pega seu namorado beijando outra mulher, então ela vai e rompe com ele.

Katy anda longe de seu namorado cafajeste. Embora o vídeo seja basicamente um 
comercial para o militarismo dos Estados Unidos, ele começa com uma cena relacionada 
com relação a fim de fazer o vídeo relacionável e dar-lhe um elemento emocional.

Katy, em seguida, se dirige a um posto de gasolina. Ela está muito desesperada, confuso e impulsiva, por isso ela obedece ao primeiro anúncio que encontra. Aposto que os marqueteiros gostariam de ter mais pessoas como Katy.

Quando Katy lê este adesivo real das Forças Armadas dos EUA , ela imediatamente se vende.

Ao se deparar com mágoa, algumas pessoas podem tentar se sentir melhor com um sundae de chocolate ou talvez um passeio agradável em torno do quarteirão. Mas no caso de Katy, ela se junta ao complexo industrial-militar dos EUA e é treinada para combater em uma guerra de guerrilha no exterior. Não me interpretem mal, eu tenho respeito por soldados no exército, mas acho que uma decisão de mudança de vida como entrar para o exército não deve ser feita em um momento de frenesi emocional.

No entanto, Katy faz esta decisão, cortando o cabelo de uma forma masculina e trocando seu Blackberry por um uniforme do Exército.

Katy é agora propriedade do Exército dos EUA.

O resto do vídeo é muito semelhante aos comerciais vistos na TV, do Exército, onde grandes armas, máquinas grandes e cenas de treinamento de combate são apresentados em uma questão dinâmica para atrair os jovens que estão entediados com suas vidas. A letra da canção é habilmente misturada com as imagens do vídeo para fazer o anúncio ainda mais eficaz. Por exemplo, quando Perry canta "Eu só quero jogar meu celular fora, descobrir quem realmente está lá para mim", ela é vista com seus companheiros, o que implica que seus companheiros do exército nunca vão decepcioná-la.

Katy queima uma carta de seu namorado (que representa sua vida passada), enquanto  
com seu companheiro do exército. Ele REALMENTE está lá por ela. Camaradagem entre os 
soldados é um ponto de venda importante para ajudar a recrutar pessoas do exército 
e é fortemente promovido neste vídeo.

Quando Katy canta: "Eu caí profundamente e você me deixou afogar, mas isso era antes e esse é o agora ... Agora olhe para mim", ela é mostrada disparando um rifle como se fosse uma grande conquista. Sim, olhe para ela:

Katy está agora em uma base militar, disparando um rifle e provavelmente será enviada para 
uma zona de guerra no futuro próximo. Pegue aquele namorado traidor, isso te mostrará!

Durante a ponte da música, Katy canta "Agora olhe para mim, eu sou espumante, um fogo de artifício, uma chama dançante. Você não vai me colocar de novo, eu sou brilhante, oh". Durante esse tempo, ela é mostrada patrulhando uma aldeia do Oriente Médio falsa, usada para treinamento militar em simulações de guerrilha. Esta é uma outra associação inteligente entre a letra da música e as imagens no vídeo, provocando uma associação positiva entre os dois.
 Katy, você diz que é "brilhante" mas você está sendo treinada para combater em
 uma guerra de guerrilha no Oriente Médio, que é conhecido por ser extremamente 
sangrenta, violenta e muitas vezes envolver mortes de civis. Então, sim, eu não tenho 
certeza de que "brilhante" é a melhor palavra para descrever a sua situação.

Mais tarde no vídeo, as palavras positivas e edificantes do refrão são misturadas com as cenas de guerra envolvendo soldados correndo, tanques de rolamento e helicópteros voando. Não há dúvida alguma a dissonância cognitiva aqui porque, no caso de algumas pessoas não souberem, a guerra nunca é positiva e nem edificante. É sempre terrível, violenta e horrível. No entanto, a fim de recrutar novos soldados, os anunciantes precisam fazer toda a "experiência no exército" parecer maravilhosa.

Katy está agora presa no negócio da guerra, onde a morte, mutilação, horror e 
trauma podem entrar no caminho para conquistar países do Terceiro Mundo em termos 
de recursos e de poder...pelo menos, o namorado cafajeste de Katy não está lá!

Então, em suma, descobrir que seu namorado está traindo nela fez Katy Perry se alistar na Marinha, para ser treinada para o combate, e, finalmente, ser usada como bucha de canhão em conflitos que ela provavelmente não compreende inteiramente. A elite parece estar procurando uma juventude perdida para lutar suas guerras. Foi "Part of Me" uma mensagem patrocinada pelos Illuminati para encontrar novos recrutas para o seu braço armado, os complexo militar-industrial dos EUA?

Um único olho acima do gatilho de uma arma indica que este vídeo com tema 
militar é um produto da agenda da elite ... que por acaso tem um monte de guerras 
planejadas para os próximos anos.

Conclusão

Assistindo um pouco de "notícias internacionais" é o suficiente para fazer alguém perceber que existe atualmente uma grande pressão sobre países "ruins" como Síria, Irã e Uganda, e que a opinião pública está sendo preparada para novos conflitos militares. A perspectiva de guerras futuras, juntamente com as inúmeras zonas de guerra existentes em todo o mundo, estão gerando uma grande necessidade de novos soldados militares nos EUA e outros países ocidentais. Visto que a obrigatoriedade militar não é mais uma opção, novas e inovadoras maneiras estão sendo usadas ​​para atingir o público-alvo do exército (adolescentes) e para obtê-los interessados ​​em se alistar no exército. "Part of Me" de Katy Perry é um anúncio de recrutamento óbvio do exército disfarçado de vídeo musical, com o armamento "legal" do exército, o treinamento intensivo e a camaradagem dos soldado que são apresentados em uma questão dinâmica e atraente. Os militares e a guerra são apresentados como ideais de escapes ao caos da vida, como um namorado cajajeste, e feito para apelar a uma geração de adolescentes entediados. Mas é a guerra realmente a maneira perfeita para esquecer um relacionamento ruim? Vá perguntar a um veterano de guerra.

 Fonte: VigilantCitizen

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, note que os comentários são moderados e que todos
os spams, insultos, proselitismo e discursos de ódio serão removidos.