sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Transumanismo prepara transição para os ‘pós-humanos’

Quase imortalidade, futuro de ciborgue: o homem está condenado a receber “nanochips” em seu cérebro para não se tornar obsoleto? Desejosos de melhorar a espécie, os transumanistas hesitam entre promessas de futuros que consideram melhores e o temor de um apocalipse.
Nascido de uma faixa da cibercultura californiana, o movimento transumanista acompanha a evolução rápida do progresso da informática, da bio e da nanotecnologia e do conhecimento do cérebro. Com as novas técnicas, trata-se não apenas de aumentar as capacidades do homem (daí o nome “Humanity +” escolhido para o movimento em escala internacional), mas também preparar a transição para os “pós-humanos”, espécies de ciborgues (organismos cibernéticos) que sucederiam a nossa espécie.

size 590 Cérebro humano Transumanismo prepara transição para os pós humanos

O cientista americano Ray Kurzweil, apóstolo do transumanismo, prevê que, a partir de 2029, a inteligência artificial vai igualar a do homem. Para o autor do livro When Humans Transcend Biology ou The Age of Spiritual Machines, entre outros, a partir de 2045, o homem deverá estar ligado a uma inteligência artificial, o que permitirá a ele aumentar sua capacidade intelectual 1 bilhão de vezes, um destino de ciborgue.

ciborgue Transumanismo prepara transição para os pós humanos

No extremo, Hugo de Garis, especialista australiano em inteligência artificial, promete um futuro mais negro. Antes do final do século, uma “guerra exterminadora” deverá opor os “seres humanos” às máquinas inteligentes e aos “grupos que querem construir esses deuses”, alertou, durante uma conferência realizada domingo passado em Paris pela Associação francesa transumanista (AFT Technoprog).
Em mais alguns anos, um aparelho condensado pela nanotecnologia, do tamanho de um grão de areia, colocado no cérebro poderá ser suficiente para fazer de uma pessoa humana um ciborgue com capacidade mental bilhões de vezes superior, assegura Hugo de Garis que realizou estudos num laboratório da Universidade de Xiamen (China).
Paraíso ou inferno?
Ele imagina que em 2070, uma jovem mãe poderá enfrentar um dilema : transformar ou não seu bebê em ciborgue. Fazê-lo poderá significar “matar seu filho” uma vez que ele se tornará “completamente diferente”, advertiu. Em algumas décadas, a humanidade deverá, segundo ele, escolher se “manterá a posição de espécie dominante”, fixando um limite para a inteligência artificial ou se construirá supercérebros.
Sem compartilhar o extremismo de Hugo de Garis, o presidente da Associação Francesa Transhumanista AFT Marc Roux destaca que, “ao contrário de boa parte da corrente transumanista”, na França “o questionamento sobre os riscos” é colocado em primeiro lugar. Daí o tema da conferência: O futuro do transumanismo: paraíso ou inferno?. Marc Roux, licenciado em História, acha que “a perspectiva histórica de Kurzweil é falsa”, porque as referências escolhidas são “arbitrárias”.
“Dizer que a emergência da inteligência artificial ou da consciência artificial vá se tornar ‘forte’, em 20 ou 30 anos, parece o limite do razoável”, disse. O destaque será o “prolongamento da duração da vida com boa saúde”, um tema mais adequado para seduzir o público.
Didier Coeurnelle, vice-presidente da AFT, concorda com esse ponto de vista.
Segundo ele, daqui a algumas décadas, o envelhecimento poderá ter um recuo de 30 anos, podendo, no final, chegar a uma quase imortalidade.
fonte

2 comentários:

  1. EU ACREDITO NA PALAVRAS DE DEUS, QUE SEU POVO NÃO SOFRERÁ, POIS É UM POVO ESCOLHIDO, QUANDO ISTO CHEGAR SE CHEGAR SEU POVO NÃO ESTARA MAIS AQUI !! POIS RECONHECEU SEU NOME !! TENHA FÉ !!!

    ResponderExcluir

Por favor, note que os comentários são moderados e que todos
os spams, insultos, proselitismo e discursos de ódio serão removidos.