terça-feira, 13 de dezembro de 2011

As Surpreendentes e Pouco Compreendidas Implicações do Aparecimento do Anticristo, Conforme Mateus 24


O Senhor Jesus Cristo descreveu aos seus discípulos os sinais que anunciarão que o aparecimento do Anticristo está próximo, iniciando assim o fim dos tempos. A maioria dos cristãos está mal-orientada neste ponto, e precisa compreender a verdade, para estar bem preparada para as tribulações que afligirão a humanidade.

Mateus 24 — Sinopse: Os discípulos de Jesus Cristo tinham acabado de lhe mostrar a beleza e a estrutura do templo que o rei Herodes estava edificando, quando ele se virou e proferiu uma profecia terrível: "Não vedes tudo isto? Em verdade vos digo que não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja derrubada."
Os discípulos entraram em pânico, pois associaram a destruição do templo com a destruição da nação de Israel e a associaram também com o fim dos tempos. [Eles não estavam errados, como os eventos demonstraram anos mais tarde, pois tanto o templo quanto Israel foram destruídos no ano 70.] Quando chegaram ao Monte das Oliveiras, onde puderam conversar reservadamente com Jesus, eles lhe perguntaram: "Dize-nos, quando serão essas coisas, e que sinal haverá da tua vinda e do fim do mundo?" Observe que eles perguntaram qual seria o sinal, um único sinal, mas ele lhes deu muito mais do que pediram. [Isso não é típico do Senhor Jesus?].
Quando compreendermos apropriadamente a importância dos sinais pelos quais podemos saber que o fim dos tempos está se aproximando, estaremos muito melhor preparados quando os eventos começarem a ocorrer na nossa frente. Entretanto, antes de examinarmos esses sinais, precisamos compreender o contexto em que Jesus os colocou. Esse contexto encontra-se no verso 8: "Mas todas estas coisas são o princípio das dores." A palavra, "dores" no texto grego original refere-se na verdade às dores do parto [Concordância de Strong, item 'G5604'].
Assim, o início desses múltiplos sinais anuncia um processo de nascimento; alguém ou alguma coisa vai nascer na cena mundial; alguém vai aparecer! Mas quem? Temos essa resposta no verso 15, em que Jesus subitamente menciona a profecia de Daniel 9:27, 11:31 e 12:11. Essa profecia diz que o Anticristo entrará no Santo dos Santos no Templo, na metade do período de sete anos da Tribulação, com o propósito expresso de desolá-lo e causar uma profunda ofensa a Deus. Daniel chama esse ato de "abominação desoladora"; os eruditos chamam de "A Abominação da Desolação".
Portanto, o "bebê" que vai nascer é o Anticristo. Mas, espere, há outro "bebê" que nasce nesses versos. Quando Jesus começa a falar sobre a profanação ao Santo dos Santos com a Abominação da Desolação pelo Anticristo, todos os tipos de luzes vermelhas devem começar a piscar, mas devido a um terrível engano dos mestres tradicionais da Bíblia, essas luzes vermelhas não são vistas. Em Mateus 24:1-2, Jesus prediz a destruição do Templo que Herodes estava reedificando; no verso 3, os discípulos corretamente compreendem que a destruição do Templo representa a destruição da nação de Israel. Realmente, ambas as destruições ocorreram no ano 70.
Contudo, Jesus subitamente começa a falar sobre o Anticristo, que vai profanar o Santo dos Santos! Portanto, a nação de Israel, precisa ter renascido a esse tempo, e o Terceiro Templo reconstruído; caso contrário, o Anticristo não poderá ofender a Deus profanando o Santo dos Santos dentro do Templo! Temos outro "bebê" nascendo aqui — Israel! E, em um determinado momento antes de o Anticristo entrar no Santo dos Santos no dia 1.260 do Período da Tribulação, o Templo precisará ser reconstruído.
Portanto, os sinais, as "dores do parto" que Jesus relacionou em Mateus 24 darão à luz dois bebês: a nação de Israel e o Anticristo. Vamos examinar essas dores do parto, e depois veremos como o bebê Israel nasceu exatamente de acordo com esses sinais, essas dores do parto.
Jesus relacionou as seguintes dores do parto como os múltiplos sinais pelos quais seus discípulos saberão que o fim dos tempos está próximo:
Enganação espiritual sem precedentes [verso 4] — Essa enganação espiritual é tão pervasiva, e de tão grande proporção, que Jesus reiterou a advertência duas outras vezes no capítulo, nos versículos 11 e 24. Certamente, estamos enfrentando essa enganação hoje, pois os ministérios que pareciam fundamentalistas e corretos no alvo estão subitamente passando a apoiar as causas liberais e até mesmo a Nova Ordem Mundial. Nos dias atuais, os cristãos precisam ter seus olhos nas Escrituras — atuar como os nobres bereanos — e não nos homens e nas organizações. Precisamos diligentemente comparar tudo o que é dito e feito com as Escrituras, lembrando que existem muitos casos de organizações e homens que subitamente tornaram-se réprobos, após anos de bons serviços. Como Jesus advertiu, "Aquele que perseverar até o fim será salvo." [Mateus 10:22].
Falsas figuras messiânicas [verso 5] — O século XX presenciou o aparecimento de muitas figuras messiânicas que parecem quase inacreditáveis.
Guerras e rumores de guerras. Nação contra nação e reino contra reino — é uma expressão idiomática que define um conflito iniciado por dois combatentes locais, mas em que rapidamente cada lado arregimenta aliados, tornando o conflito muito maior. [verso 7].
Fomes e terremotos em vários lugares — Novamente, essa é uma frase idiomática que significa que fomes e terremotos ocorrerão simultaneamente em diferentes partes do globo [verso 7]. Contrariamente ao que diz o Serviço Geológico dos EUA, os terremotos estão ocorrendo mais regularmente agora, e com uma intensidade média maior. A negação do Serviço Geológico sobre esse fato parece-se com aquilo que a profecia bíblica diz que os homens ímpios dirão quando confrontados pelos sinais do fim dos tempos: "Onde está a promessa da sua vinda? Porque desde que os pais dormiram, todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação" [2 Pedro 3:4] O Serviço Geológico quer que você acredite que todas as coisas continuam como eram desde o início da criação, tentando mascarar a verdade que os terremotos são muito mais comuns e mais intensos agora do que antigamente.

O Renascimento da Nação de Israel em 1948 Cumpriu Essas Dores do Parto

Quando examinamos o processo do nascimento de Israel, desde o primeiro Congresso Sionista em 1897 até seu nascimento em 1948, você pode ver como esse nascimento cumpriu a profecia referida das dores do parto. Façamos um exame do registro histórico:
Vamos começar discutindo o milagre histórico sem precedentes do renascimento de Israel. Deus começou a lançar os judeus para fora da sua terra com a invasão do rei babilônio Nabucodonosor, em 602 AC. Desse tempo em diante, os judeus nunca mais realmente governaram a si mesmos como um estado independente, embora os gregos e os romanos tenham permitido uma autonomia limitada. Entretanto, a paciência de Roma com os judeus foi continuamente testada, com suas repetidas rebeliões. A paciência romana chegou ao fim no ano 66, quando os judeus se rebelaram de uma forma sem precedentes. A princípio, o exército judaico tomou o controle de parte da Palestina, incluindo Jerusalém. A resposta militar romana foi também sem precedentes, pois Roma enviou uma força militar imensa contra Jerusalém. O cerco durou mais de três anos. No ano 70, o exército romano finalmente conquistou Jerusalém. A liderança romana estava determinada a acabar de vez com as constantes revoltas da nação judaica. Portanto, os romanos mataram um número incontável de pessoas e começaram a sistematicamente dispersar os judeus para fora de Israel, levando-os para as nações vizinhas. Ao fazer isso, cumpriram as muitas advertências de Deus que puniria Israel exatamente dessa maneira se continuasse a pecar contra seus mandamentos. Estudaremos essas profecias em mais alguns momentos.
O fato histórico registra que Israel esteve fora de sua terra por quase 1.900 anos. A terra de Israel foi controlada por uma sucessão de potências gentílicas durante esse longo período de tempo. Ninguém esperava que Israel recuperasse sua terra outra vez, pois nenhum povo que foi expulso de sua terra por vários milhares de anos conseguiu recuperá-la. No entanto, os estudiosos que liam e interpretavam a Bíblia literalmente insistiam, com base na autoridade da Palavra de Deus, que Israel seria restaurado de volta à sua terra. Na verdade, alguns desses estudiosos defendiam a opinião que o fim dos tempos não poderia realmente começar até que Israel fosse restabelecido na sua terra.
E, contra todas as probabilidades, Israel renasceu em um dia, em maio de 1948. Desde então, já travou várias guerras para garantir sua sobrevivência, contra todas as probabilidades. O renascimento de Israel em 1948 foi realmente um milagre histórico sem precedentes de Deus, realizado contra todas as probabilidades humanas.
Mas, não devemos estar surpresos, pois Deus prevê em muitos lugares, tanto no Antigo quanto no Novo Testamento, que arrancaria Israel de sua terra se a nação se recusasse a obedecer seus mandamentos. Mas, depois, Deus sempre prometia a restauração nacional.
Em Romanos 11, o apóstolo Paulo enfoca o conceito que Deus não rejeitou permanentemente Israel como seu povo escolhido. Leia com atenção as palavras de Paulo, começando com o verso 1:
"Porventura rejeitou Deus o seu povo? De modo nenhum... Deus não rejeitou o seu povo, que antes conheceu."
Paulo é bem claro ao dizer que, embora Israel tivesse pecado grave e repetidamente, Deus não o tinha rejeitado como seu povo escolhido. Quando olhamos para a aliança de Deus com Abraão, vemos por que ele não pode rejeitar Israel e continuar fiel à sua natureza eterna e imutável. Em Gênesis 17:7-8, Deus explica sua aliança com Abrão, agora renomeado como Abraão. Deus prometeu:
"Estabelecerei a minha aliança entre mim e a tua descendência depois de ti em suas gerações, por aliança perpétua, para te ser a ti por Deus, e à tua descendência depois de ti. E te darei a ti e à tua descendência depois de ti, a terra de tuas peregrinações, toda a terra de Canaã em perpétua possessão, e ser-lhe-ei o seu Deus." [ênfase adicionada].
Observe que Deus disse que sua aliança é com Abraão e com sua "descendência". Essa palavra "descendência" muito provavelmente refere-se aos descendentes físicos que procederiam de Abraão, a nação de Israel que foi formada a partir da descendência de Abraão. Além disso, Deus disse que sua aliança seria uma aliança "perpétua". A palavra "perpétua" significa literalmente "para sempre" ou "eterna". Em outras palavras, Deus não poderia cancelar sua aliança física com os descendentes de Abraão sem violar sua natureza imutável. Ele simplesmente precisou garantir que essa Aliança Nacional permanecesse válida por toda a eternidade. Além disso, observe também que essa aliança com Abraão foi incondicional. Mesmo se os judeus que vivessem após Abraão se rebelassem contra Deus, a aliança continuaria. Em contraste, a Lei, dada por Deus a Moisés, foi destinada desde o início a ser abolida uma vez que a Nova Aliança de Jesus Cristo fosse firmada. Esse é um dos grandes temas do autor da epístola aos Hebreus.
Lembre-se, estamos falando aqui de duas alianças, a nacional, a aliança perpétua com Abraão e a aliança espiritual posterior com Moisés. Jesus cumpriu a Lei Mosaica e cumpriu seus tipos, mas seu ministério nunca afetou a Aliança Nacional que Deus fez com Abraão. Deus simplesmente teve de trazer Israel de volta à sua terra no fim dos tempos, ou teria dito uma mentira a Abraão, ou pior ainda, seu poder teria sido incapaz de restaurar Israel. [Para ver os muitos exemplos em que Deus prometeu restauração nacional ao mesmo tempo em que anunciava sua destruição nacional.
Em Ezequiel 20:40-44, Deus enfoca especificamente o retorno de Israel a ele após terminar a punição. No verso 44, Deus diz uma coisa muito interessante: Diz que restaurará Israel "por amor do meu nome". Ele reitera essa verdade em Ezequiel 36:21-23. Deus diz claramente por que está planejando restaurar Israel em sua terra:
"Mas eu os poupei por amor do meu santo nome, que a casa de Israel profanou entre os gentios para onde foi. Dize portanto à casa de Israel: Assim diz o Senhor DEUS: Não é por respeito a vós que eu faço isto, ó casa de Israel, mas pelo meu santo nome, que profanastes entre as nações para onde fostes. E eu santificarei o meu grande nome, que foi profanado entre os gentios, o qual profanastes no meio deles; e os gentios saberão que eu sou o SENHOR, diz o Senhor DEUS, quando eu for santificado aos seus olhos." [ênfase adicionada].
O santo nome de Deus é sempre mencionado aqui; se ele não puder retornar Israel à sua terra após provocar sua destruição, então ele não é Deus. Seu nome e sua reputação ficariam arranhados para sempre. Quando os eventos de guerra e as terríveis provações nacionais profetizadas a respeito de Israel durante o Período da Tribulação começarem a ocorrer, você pode ter certeza que Israel não será destruído. Deus prometeu em Amós 9:15: "E plantá-los-ei na sua terra, e não serão mais arrancados da sua terra, que lhes dei, diz o SENHOR teu Deus.".
Ou, veja Obadias 17: "Mas no monte de Sião haverá livramento, e ele será santo; e os da casa de Jacó possuirão as suas herdades." Israel sofrerá pesadas perdas e Jerusalém será devastada, mas Deus promete que o resultado final será "santidade para o Monte de Sião" [onde existe atualmente o ofensivo Domo da Rocha] e que Israel possuirá suas possessões antigas; essa promessa significa que toda a terra que Deus prometeu a Abraão será restaurada ao controle judaico. Essa terra inclui todo o Líbano, a maior parte da Síria, dois terços da Jordânia e o deserto de Negueve, até o Canal de Suez.
Agora, porém, vamos examinar rapidamente de que forma o modo como Israel foi restaurado em sua terra cumpre a profecia de Mateus 24 precisamente.
Quando ocorreu a primeira Conferência Sionista, em 1897, em Basiléia, na Suíça, para o propósito expresso de iniciar um esforço organizado e conjunto de levar um número significativo de judeus de volta a Israel, as possibilidades pareciam realmente muito pequenas e desanimadoras. Toda a região estava sob o rígido controle do Império Otomano, e seus governantes não viam com simpatia o retorno dos judeus à sua terra e a restauração da nação de Israel. Apesar disso, os delegados judeus na conferência sentiram uma mão forte sobre eles, incentivando-os a prosseguir com os esforços. Essa conferência terminou com um compromisso de judeus influentes e ricos de começar a patrocinar o retorno de indivíduos judeus na volta à Terra Prometida. E eles retornaram, inicialmente às centenas, depois aos milhares, e mais tarde às dezenas de milhares.

Enganação Espiritual Sem Paralelos — Mateus 24:4

Desde o princípio, a direção espiritual invisível e silenciosa que levou Israel de volta à sua terra não foi o judaísmo tradicional, e certamente também não foi o cristianismo; em vez disso a liderança espiritual foi Iluminista. A família Rothschild [banqueiros internacionais] assumiu uma liderança nessa luta crucial, e forneceu recursos imensos para os imigrantes judeus comprarem dos árabes a terra assim que se estabeleceram em Israel. Nenhum colono judeu jamais compreendeu esse fato; eles foram totalmente enganados.

Guerras e Rumores de Guerra

Na primeira década do século XX, nuvens escuras estavam se formando no horizonte europeu, pois grupos étnicos em toda a Europa e na Europa Oriental começavam a fazer reivindicações que logo culminaram na Primeira Guerra Mundial. As causas da Primeira Guerra Mundial foram várias: a contínua instabilidade na região peninsular dos Bálcãs [a anexação da Bósnia e da Herzegovina pela Áustria em 1908]; as Guerras dos Bálcãs [1912-1913]; e o gradual colapso do Império Otomano, que criou nossas perspectivas na Europa e no Oriente Médio com o enfraquecimento do controle turco na região, permitindo que o fluxo de imigrantes judeus continuasse e até aumentasse.
À medida que as nuvens foram se escurecendo, cresceu a pressão sobre os judeus que viviam na Europa, e milhares começaram a fugir das perseguições, aparentemente sendo levados à Terra Prometida. Embora muitos árabes que viviam ali começassem a reclamar e a executar ações de represália, o fato é que quando os judeus chegaram, vieram com capitais de judeus ricos da Grã-Bretanha, dos EUA e da Europa, de modo que começaram a comprar a Terra Santa, parte por parte.

Nação Levantando-se Contra Nação e Reino Contra Reino

Lembra-se da nossa discussão anterior, da frase idiomática que o Senhor usou? Essa frase descreve literalmente uma guerra em que a luta é iniciada por duas nações pequenas, mas cada lado rapidamente recebe o apoio de aliados, e resulta em uma guerra muito maior e mais devastadora. Foi exatamente assim que a Primeira Guerra Mundial começou. O pavio que a desencadeou foi o assassinato do Arquiduque Ferdinando, da Áustria, por um nacionalista sérvio em 1914. A guerra alastrou-se rapidamente em muitas frentes diferentes e acabou envolvendo as principais potências ocidentais. Rapidamente, a guerra estava formalizada entre os Aliados [França, Grã-Bretanha, Rússia, Itália, EUA] e as Potências Centrais [Alemanha, Império Austro-Húngaro e Império Otomano]. A guerra terminou em 11/11/1918 às 11 horas [observe a prática ocultista de agrupar números importantes, no caso o número '11' três vezes. A Primeira Guerra Mundial terminou no décimo-primeiro dia do décimo-primeiro mês, às onze horas da manhã. Esse fato histórico coloca firmemente o selo ocultista dos Iluministas nessa guerra]. O líder maçom norte-americano Albert Pike teria ficado muito satisfeito, pois a Primeira Guerra Mundial ocorreu exatamente como ele previu em uma visão demoníaca que teve em 1870.
As conseqüências dessa guerra foram imensas. Mais de 30 milhões de pessoas morreram durante o conflito, e milhões de outras morreram de fome e de doenças durante e após a guerra. Grande parte da Europa ficou em ruínas, o governo czarista da Rússia caiu em 1917, e foi substituído por um governo Iluminista do inferno, o Comunismo. A ocorrência de terremotos teve um salto significativo nessa década.
Mas, mais importante, a Grã-Bretanha sentia-se devedora a um cidadão britânico brilhante, o químico e líder sionista Chaim Weizmann, por sua ajuda nos esforços de guerra quando desenvolveu um processo de sintetizar a acetona, um ingrediente necessário na produção dos explosivos que estava com seu estoque extremamente baixo. Além disso, a Grã-Bretanha queria estabelecer uma nação judaica no Oriente Médio, como forma de conter o Império Otomano; além disso, achava que uma declaração de apoio à causa sionista faria os EUA entrarem na guerra.
Portanto, o gabinete britânico emitiu a famosa Declaração de Balfour. Arthur James Balfour, o ministro das Relações Exteriores do governo britânico, enviou o seguinte memorando ao Lord Rothschild, o líder da Federação Sionista na Grã-Bretanha, em 2 de novembro de 1917:
"Tenho o prazer de comunicar-lhe, em nome do Governo de Sua Majestade, a seguinte declaração de simpatia com as aspirações judaico-sionistas que foram apresentadas e aprovadas pelo Gabinete. O Governo de Sua Majestade vê com simpatia o estabelecimento na Palestina de uma pátria para o povo judeu, e fará os melhores esforços para facilitar a realização desse objetivo, ficando, porém claramente compreendido que nada será feito que venha a prejudicar os direitos civis e religiosos das comunidades não-judaicas existentes na Palestina, ou os direitos e o status político dos judeus em qualquer outro país."
Acho altamente interessante que Rothschild tenha recebido esse memorando, pois desde 1793, sua família tem sido a maior patrocinadora da vindoura Nova Ordem Mundial! Além disso, você pode ver como o financiamento dos Iluministas aos esforços sionistas desde o início, em 1897. Os Iluministas estavam literalmente comprando a terra de Israel dos árabes, pedaço por pedaço. O apoio da comunidade empresarial judaica para esse projeto foi enorme.
A Declaração de Balfour foi o primeiro grande passo para o estabelecimento de Israel como nação. Pela primeira vez, em quase 1.900 anos, uma grande potência comprometia-se com o renascimento de Israel. No entanto, após o fim da Guerra, a Grã-Bretanha tentou distanciar-se da Declaração de Balfour, provocando muita insegurança e lutas na região entre os árabes e os judeus.

A Segunda Guerra Mundial

A Segunda Guerra Mundial foi a guerra final que produziu a nação de Israel. Um líder Iluminista, Adolf Hitler, surgiu na Alemanha, prometendo o fim da humilhação imposta pelos Aliados e restaurar o poder e a influência alemãs. Hitler também publicou um livro intitulado Mein Kampf [Minha Luta], em que prometia aniquilar todos os judeus do mundo, e mergulhar toda a Europa em uma guerra, necessária para estabelecer a Grande Alemanha, que ele achava necessária para estabelecer a perfeita raça ariana.
Desde o início de seu governo, Hitler delineou planos precisos para a erradicação dos judeus, o que passou a ser conhecido como Holocausto judaico. De 1933-1938, Hitler sancionou vários decretos e leis que sistematicamente perseguiam os judeus, chegando a caçar sua cidadania alemã em 1935. Entretanto, o Holocausto começou oficialmente em 9-10 de novembro de 1938, na chamada Noite dos Cristais, durante a qual virtualmente todas as sinagogas na Alemanha foram destruídas. Em seguida, os nazistas começaram a confiscar as propriedades dos judeus e a aprisioná-los em campos de concentração.
Após o início da Segunda Guerra Mundial, em setembro de 1939, Hitler iniciou o programa oficial de extermínio, que só foi interrompido em maio de 1945, quando os Aliados libertaram o último dos campos da morte. Sempre achei interessante observar que o Holocausto nazista durou quase sete anos (2.376 dias), de 9/11/1938 a 6/5/1945; o verdadeiro Anticristo também lidará com Israel durante um período exato de sete anos judaicos (2.530 dias).
A migração dos judeus para a Terra Prometida aumentou grandemente durante a Segunda Guerra Mundial, quando procuravam fugir de Hitler. No entanto, os governos britânico e norte-americano criaram barreiras enormes à imigração, que mantiveram o número de imigrantes muito aquém do que poderia ter sido. Após o fim da guerra, a imigração de judeus para Israel cresceu muito.

Israel Renasce em um Único Dia

O horror provocado pelas cenas do Holocausto nos países ocidentais desencadeou uma seqüência de eventos em que os Estados Unidos, agora sob a liderança do presidente Truman, apoiaram firmemente o renascimento de Israel. Esse renascimento ocorreu sob os auspícios das Nações Unidas, demonstrando mais uma vez o apoio dos Iluministas a essa restauração nacional. Em 14 de maio de 1948, Israel tornou-se uma nação outra vez; após quase 1.900 anos sem existir, voltou à vida novamente "em um único dia", como profetizado em Zacarias 3:9.
A Segunda Guerra Mundial resultou em grande destruição e em muito sofrimento para milhões de pessoas. Além disso, milhões (notadamente judeus e poloneses) morreram nos campos de concentração nazistas. A fome e as doenças também varreram o mundo como conseqüência dessa guerra; embora os números tenham sido menores do que na Primeira Guerra Mundial, também são impressionantes. Os terremotos também começaram a crescer em quantidade e em intensidade, em cada década, dos anos 20 aos anos 40.
Assim, você pode ver que o primeiro bebê nasceu, a nação de Israel, com exatamente esses tipos de dores do parto — enganação espiritual, guerras, rumores de guerras, fomes e terremotos. Deus é verdadeiro em sua Palavra! Não somente Israel nasceu novamente como nação, mas voltou em incredulidade, exatamente como Deus predisse em Ezequiel 37:8d, "mas não havia neles espírito". Deus disse que Israel voltaria em incredulidade, nele e em Seu Filho, Jesus Cristo. Um dos principais objetivos do Período da Tribulação é produzir uma nação que creia em Jesus quando ele retornar na Matança do Armagedom. Uma grande parte da produção dessa nação cristã é permitir que o Anticristo mate dois terços dos judeus [todos incrédulos, Zacarias 13:8], enquanto Deus protege o um terço remanescente fiel [Apocalipse 12:13-17]. Essa conversão de um terço da população judaica não começará antes do Arrebatamento da igreja cristã, pelo trabalho dos 144.000 evangelistas judeus [Apocalipse 7:1-8] e a pregação das Duas Testemunhas, que estarão diante do Monte do Templo nos primeiros 1.260 dias do Período da Tribulação, proclamando fielmente o evangelho de Jesus Cristo.
Mas, quando Jesus retornar, ele encontrará um Israel em que as únicas pessoas ainda vivas são o remanescente cristão protegido. Assim, o apóstolo Paulo pôde confiantemente dizer "E assim todo o Israel será salvo..." [Romanos 11:26] Jesus encontrará, ao retornar, o cumprimento da profecia de Zacarias 12:10b: "Olharão para mim, a quem traspassaram; e pranteá-lo-ão amargamente por ele, como se chora pelo primogênito."

O Nascimento do "Bebê" Anticristo

Agora, vamos examinar o nascimento do outro "bebê" em Mateus 24, o Anticristo. Jesus subitamente começa a falar, no verso 15, sobre a ida do Anticristo ao templo — obviamente, o terceiro templo, reconstruído — e profanando-o tão profundamente que cria a "abominação desoladora"'. Deus ficará tão furioso com esse ato de blasfêmia, e com os discursos do Anticristo dentro do Santo dos Santos, que começa a derramar sua ira com grande intensidade. Essa profanação ocorrerá na metade do período de sete anos da Tribulação, no dia 1.260.
Por alguma razão, Jesus Cristo omitiu o aparecimento do Anticristo em Mateus 24. No entanto, ele nos fala sobre o aparecimento desse Homem do Pecado em Apocalipse 6:1-2: "E, havendo o Cordeiro aberto um dos selos, olhei, e ouvi um dos quatro animais, que dizia como em voz de trovão: Vem, e vê. E olhei, e eis um cavalo branco; e o que estava assentado sobre ele tinha um arco; e foi-lhe dada uma coroa, e saiu vitorioso, e para vencer."
Esse é o momento do "nascimento" do bebê Anticristo em Mateus 24. Portanto, o "nascimento" dele, seu aparecimento será precedido por uma intensificação das dores do parto em Mateus 24:6-7. No período de tempo imediatamente precedente ao aparecimento do Anticristo, o mundo experimentará todas as dores do parto previstas em sua intensidade mais forte possível! Portanto, devemos esperar:
Guerras e Rumores de Guerras — no mais alto grau possível.
Nação levantando-se contra nação, reino contra reino — Novamente, essa frase idiomática indica uma guerra que começa entre duas potências locais, em que outros aliados se envolvem, de tal forma que o conflito alcança proporções muito maiores! Nesse caso, vemos o Plano da Nova Ordem Mundial de iniciar uma guerra entre Israel e os palestinos [a Casa de Esaú, Obadias 15-18], em que ambos os lados envolverão seus aliados, resultando na Terceira Guerra Mundial. Os Iluministas estão planejando uma Terceira Guerra Mundial desde 1870 [leia o artigo O Plano Demoníaco de Albert Pike Para a Implementação da Nova Ordem Mundial]. O Anticristo aparecerá, literalmente, a partir da fumaça, destruição e morte causadas por essa Terceira Guerra Mundial, exibindo enormes e eficientes "sinais e maravilhas".
As fomes ocorrerão como conseqüência dessa guerra, provavelmente nos países subdesenvolvidos. Grande parte dessa fome será o resultado dessa vindoura Terceira Guerra Mundial.
Os terremotos podem ser criados pela tecnologia HAARP [Veja os artigos da seção Controle do Clima. Tanto os EUA quanto a Rússia dispõem desses armamentos.
O autor cristão de Nova Era, Bill Cooper, em seu livro Behold a Pale Horse, diz sucintamente que o aparecimento do Anticristo incluirá um grande terremoto em Los Angeles. Vamos citar um trecho do livro aqui:
"Eles planejam provocar coisas como terremotos, guerras, o Messias, aterrissagem de naves espaciais com extraterrestres e um colapso econômico... Você pode imaginar o que acontecerá se Los Angeles for destruída por um terremoto de 9 graus na escala Richter, a cidade de Nova York for destruída por um artefato nuclear plantado por um grupo terrorista, a Terceira Guerra Mundial for deflagrada no Oriente Médio, os bancos e as Bolsas de Valores entrarem em colapso financeiro, extraterrestres aterrizarem nos jardins da Casa Branca, a comida faltar nos supermercados, algumas pessoas desaparecerem, o Messias apresentar-se ao mundo, e tudo isso em um curto período de tempo?... Muitas pessoas vão morrer daqui até o ano 2000..." [pág. 77].
Esse é o Plano Iluminista! E ele trará a população do mundo em um estado de pânico tão grande que as palavras de Jesus se tornarão realidade: "Os homens desmaiarão de terror, na expectação das coisas que sobrevirão ao mundo, porquanto as virtudes do céu serão abaladas." [Lucas 21:26].

Resumo

O povo cristão têm sido mal orientado por muitos mestres tradicionais da profecia bíblica. Como detalhamos no artigo Confirmação de Grandes Discrepâncias no Ensino Profético Padrão, muitos detalhes-chave ensinados por esses mestres tradicionais não estão baseados nas Escrituras, mas em suas próprias "interpretações particulares", Além dos falsos ensinos que detalhamos naquele artigo, acreditamos que esses mestres têm iludido os cristãos em outra questão: prometem que a igreja não precisa se preocupar com todas as guerras, fomes, desastres naturais, e outras pragas descritas no livro do Apocalipse.
Eles estão parcialmente corretos. A igreja será arrebatada antes do período de sete anos da Tribulação, que iniciará quando o Anticristo assinar a Aliança com os líderes de Israel. [Daniel 9:27] Assim, muitos cristãos sentem-se aliviados, pensando que serão poupados de todas as crises, sofrimentos e do pânico. As pessoas saem das conferências sobre estudos proféticos achando que viverão normalmente em conforto até serem arrebatadas, para que somente então todos os terríveis juízos de Deus comecem a ser derramados.
O que os mestres tradicionais de assuntos proféticos não dizem é que nós bem que poderemos passar pelo período final das dores do parto mencionadas em Mateus 24, em que todos os sinais que Jesus descreveu serão intensificados enormemente para produzir o "nascimento", o aparecimento do Anticristo!
Fique preparado, companheiro soldado da cruz! O fim do processo de nascimento que produzirá o Anticristo está bem diante de nós. Quando você vir a destruição do Domo da Rocha, saberá que a Terra atingiu a ponta do iceberg, e o eventual naufrágio é inevitável e será rápido.

2 comentários:

  1. Vejam este deboche da Virgem Maria:
    http://www.dailymail.co.uk/news/article-2074105/Virgin-Mary-positive-pregnancy-test-Church-launches-controversial-ad-campaign-time-Christmas.html

    ResponderExcluir
  2. Jesus Cristo não é o Messias de Israel.

    Esse que vai reinar com vara de ferro as nações e é descrito no apocalipse (cap 12. vers 5), é o Anticristo!

    Entenda o porquê nesse vídeo:
    http://youtu.be/3-DkUDJk_gY

    ResponderExcluir

Por favor, note que os comentários são moderados e que todos
os spams, insultos, proselitismo e discursos de ódio serão removidos.