quinta-feira, 8 de setembro de 2011

PORTAIS PROIBIDOS- Tomo 13 : aprimoramento humano


Nota do editor: As informações são baseadas em pesquisas constantemente atualizadas,  conforme novas descobertas e novos materiais para os artigos da série, para entender tudo, nos acompanhe desde o primeiro capítulo.

Portais  Proibidos
A Influência da Genética, Robótica, Inteligência Artificial, Biologia Sintética, Nanotecnologia, & Melhoramentos Humanos na nova guerra Guerra Espiritual Tecno-Dimensional


   

Humanos aprimorados

Homens com a força do Hulk, a visão que atravessa paredes do Super-Homem, a velocidade inigualável do Flash e a resistência ferrenha do Wolverine? Aqueles que curtem as fantásticas histórias e poderes sobrenaturais dos super-heróis com certeza já sonharam possuir alguma dessas habilidades.

Evidentemente, as pesquisas científicas que associam as tecnologias à medicina não têm como objetivo tornar os personagens de quadrinhos reais, mas os resultados desses estudos começam a dar indícios de que os super-humanos não estão longe de virar realidade.

Próteses inteligentes, impressoras de órgãos, equipamentos para curar ferimentos com maior eficiência, entre muitas outras inovações, são formas de tornar a vida das pessoas mais saudável. O rumo e amplitude dessa união de esforços entre a ciência tecnológica e a médica são inimagináveis - para elas, tudo é possível. Confira neste artigo algumas das invenções que devem “aperfeiçoar” os seres humanos, QUAIS AS IMPLICAÇÕES DE TUDO ISTO?.


O ex-presidente do Conselho do Presidente sobre Bioética, Leon Kass forneceu um relatório do status sobre o real e iminente o perigo de tecnologias Grin( Genética, robótica, inteligência artificial e nanotecnologia)cairem em mãos de transumanistas. Na introdução de seu livro ''Vida, Liberdade e Defesa da Dignidade: Os Desafios da Bioética'', Kass advertiu:

''Própria natureza humana encontra-se na mesa de cirurgia, pronto para alteraçãos e "valorizações" eugênicas e psíquicas , para redesenhar o home por atacado e varejo. Em laboratórios de ponta, acadêmicos e industriais, os novos criadores,  estão confiantes acumulando os seus poderes e silenciosamente aprimorando suas habilidades, enquanto na rua os seus evangelistas [transumanistas] estão zelosamente profetizando um futuro pós-humano. Para quem se preocupa com preservação de nossa humanidade, chegou a hora de prestar atenção.''

Observações como as Leon Kass, e visão do pesadelo do Prof Hugo de Garis "de um futuro próximo onde os  artilects e pós-humanos juntar-se-ão contra os normais "em uma guerra incompreensível,  levando ao  gigadeath(Terceira guerra mundial). Não obstante a tais avisos, o problema pode ser inevitável, como o Prof stock Gregory, em seu livro bem pesquisado e convincente, ''Redesenhando Humanos'': o nosso futuro genético inevitável '', argumenta que é impossível parar o que já começamos (o planejado melhoramento genético dos seres humanos), "Nós simplesmente não conseguimos mais freiar." Verner Vinge concorda, acrescentando: "Mesmo se todos os governos do mundo  compreendessem a" ameaça "e se mesmo estando  com medo mortal , o progresso em direção ao objetivo continuaria. De fato, a vantagem competitiva, econômica, militar, mesmo artística de cada avanço na automação é tão convincente que eles não  aprovam leis que  não permita tais coisas , mas apenas leis que assegurem que alguém não irá pegá-las primeiro. "Em que encontramos para ser um pouco irritante, cientistas acadêmicos e consultores técnicos do Pentágono aconselharam a agência que o argumento principal por Vinge está correto. Como tal, os Estados Unidos poderiam ser forçados em saída larga escala destas  espécie alteradas, incluindo aprimoramento humano para fins militares. Isto é baseado em inteligência militar sólida, o que sugere que os concorrentes da América (e inimigos potenciais) não possuem esta tecnologia e procuram desenvolvê-la  e usá-la para dominar os EUA, se puderem. Este cenário é preocupante para o governo é ainda partilhado pelo bacanas, os cientistas  mais prestigiados do Pentágono que tem um painel consultivo científico que agora percebem que o "Humano 2.0" como a próxima corrida armamentista que virá. Assim como a antiga União Soviética e os Estados Unidos com seus aliados respectivos competiam pela supremacia em armas nucleares após a Segunda Guerra Mundial até os anos 1980 (que hoje é vulgarmente conhecido como "a corrida armamentista nuclear durante a Guerra Fria"), os bacanas " estão preocupados com a capacidade dos adversários na exploraração dos avanços na modificação da Performance Humana, e assim criar uma ameaça à segurança nacional ", escreveu o analista militar Noah Shachtman em" Os cientistas do Pentágono e o Medo dos Cérebro-modificados". Esta recente entrevista para a revista Wired foi baseada em um relatório divulgado em que os bacanas admitiram preocupação com a "melhoria neuro-farmacêutica no desempenho e interfaces cérebro-computador" , tecnologia que está sendo desenvolvido por outros países à frente dos Estados Unidos. "Os bacanas estão recomendando que os militares americanos avançem com o seu de aprimoramento de desempenho própria de pesquisa e monitorarem os estudos  estrangeiros,  certificando-se que os inimigos os EUA" não se tornem repentinamente mais inteligentes, mais rápidos, ou mais capazes de suportar as duras realidades da guerra do que as tropas americanas ", continua o artigo. "Os bacanas estão particularmente preocupados com [novas tecnologias] que" cérebro plastificado', religações mentais, essencialmente, ajudando a "promover permanentemente a estabelecer novas vias neurais e, portanto, novas capacidades cognitivas.


A nanotecnologia já está entre nós. Apesar de ser um avanço lento, complexo e que demanda altos custos, ela parece valer a pena, principalmente quando pode ser usada para a medicina – e para deixar o corpo humano ainda mais desenvolvido.

A inovação em questão veio do MIT, o Instituto Tecnológico de Massachusetts: a criação de partículas microscópicas em forma de nanotubos, que agem como um sensor biométrico. Implantadas em qualquer parte do corpo, elas não alteram o funcionamento de nenhum sistema e não são absorvidas por qualquer outra atividade do organismo, como a digestão.

 
(Fonte da imagem: MIT)

Mas qual é o objetivo de implantar esses dispositivos minúsculos? Por enquanto, os estudos apontam para um diagnóstico imediato, pois alguns elementos químicos presentes nas partículas estão preparados para reagir e emitir um brilho diferenciado quando algo está errado no corpo do paciente, como o surgimento de um tumor, por exemplo.

Além disso, esses sensores podem ganhar novas funções, como a capacidade de automedicação. Desse modo, com a ocorrência de anormalidades, remédios presentes nesses nanotubos seriam imediatamente liberados no sangue, eliminando a necessidade de ingerir pílulas ou realizar baterias de exames, por exemplo.


  '" Embora possa ser tentador a desconsiderar as conclusões dos bacanas como um julgamento precipitado sobre a ameaça emergente de tecno-deuses, seria um erro grave  fazê-lo. Como as tecnologias Grin continuam a corrida em direção a uma curva exponencial, em paralelo com estes avanços será o argumento cada vez mais sofisticado e que as sociedades devem assumir o controle dos recursos humanos e limitações biológicas e modificar as espécies, ou pelo menos alguns de seus membros, em novas formas de existência. Prof Nigel M. de S. Cameron, diretor do Conselho de Política de Biotecnologia, em Washington DC, com documentos deste movimento, concluiu que o gênio saiu da garrafa e que " Iniciativa do governo federal Nacional de Nanotecnologia da Web,  já dá evidência deste tipo de visão de futuro, em que a dignidade humana será prejudicada por [sendo transformado em pós-humanos]. " Dr. Christopher C. Hook, um membro do comitê do governo sobre a genética humana que tem dado testemunho perante o Congresso dos EUA, ofereceu similares conclusões sobre o estado da situação:
[O objetivo do pós-humanismo] é mais evidente na medida em que o governo dos EUA adotou formalmente ideais transhumanistas e está apoiando ativamente o desenvolvimento de tecnologias transhumanistas. O '' National Science Foundation'', em conjunto com o Departamento de Comércio dos EUA, iniciou um grande programa (NBIC) para convergir várias tecnologias (inclusive os das siglas  derivadas da nanotecnologia, biotecnologia, tecnologias da informação e tecnologias cognitivas, por exemplo, a cibernética e neurotecnologias) para o propósito expresso de melhorar o desempenho humano. O diretor do programa NBIC, Mihail Roco, declarou na segunda reunião pública do projeto ... que a despesa com o capital financeiro e humano para conseguir suprir as necessidades da humanidade através reengenharia do governo dos EUA será a segunda em valor equivalente apenas ao programa de pouso na lua.

A apresentação de Mihail Roco a que se refere Dr. Hook está contida no relatório de 482 páginas, chamado de teclogias convergentes para Melhoria do Desempenho Humano encomendado pelo National Science Foundation EUA e do Departamento de Comércio. Entre outras coisas, o relatório discute aplicações planejadas de tecnologias de aprimoramento humano no serviço militar (e na racionalização da interface homem-máquina em ambientes industriais) onde a Darpa está a desenvolver "Nano, Bio, Info, e Cogno" cenários "focados na melhoria humana desempenho. "O plano ecoa uma barganha diabólica (ou pacto com o diabo), no qual" uma idade de ouro " fundirá cognição tecnológicas e humanas em" um cérebro único, distribuído e interligado.

Relacionado a estes desenvolvimentos e desconhecido para a maioria das pessoas está uma série de eventos silenciosos,  após a demissão do almirante John Poindexter (que serviu como o diretor da Darpa ,em 2002-2003) durante uma série de fatos, o que resultaram no interesse público na agência e da descoberta de uma pesquisa na Darpa de aprimoramento humano avançado. Quando a pressão política subsequente levou o Comitê de Apropriações do Senado a dar uma boa fiscalizada em como o dinheiro fluia através Darpa, os funcionários ficaram chocados ao encontrar uma " reversão de métodos" , sobre super-soldados melhoraos, guerreiros com capacidades físicas extra-humanas , sensoriais e cognitivas que permitiriam até mesmo a "comunicação apenas com o pensamento".
O Departamento da Darpa, no Ano Fiscal Orçamento 2011 do Presidente inclui também o financiamento para a ciência que levará a "edição do dna de um soldado" , enquanto os planos mais exóticos oferecem milhões de dólares para a criação do "Biodesign," um projeto misterioso de vida artificial com aplicações militares em que Darpa tem planos para eliminar a aleatoriedade da evolução natural "pela engenharia genética e tecnologias avançadas de biologia molecular", afirma o relatório de orçamento. A linguagem nesta seção do documento, na verdade fala de eliminar a "morte celular" através da criação de "uma nova geração de células regenerativas que poderiam finalmente ser programadas para viver indefinidamente." Em outras palavras, qualquer que seja esta aplicação na vida sintética , o plano  torná-lo ''ele'' imortal.Para este fim, acreditamos que o "ele" pode logo descobrir através destas espécies de barreiras de tecnologias avessadas remontam a tempos antigos, e que a ciência do aprimoramento humano e transumanismo foram  jogadas nas mãos de magos poderosos direcionados para  um luciferiano ''endgame'', que aconteceu em tempos ante diluvianos , e que foi profetizado que acontecerá novamente pouco antes do final dos tempos. 

 OS NOVOS NEFILINS OU TECNODEUSES

A tecnologia e medicina unidas pelo bem de todos 

A adaptação humana

O corpo humano é o centro de inúmeros estudos e discussões, não existe nenhuma máquina tão complexa quanto ele. Seu funcionamento só é possível devido à harmonia de funcionamento de vários sistemas, como o respiratório, digestivo, nervoso, muscular e circulatório.

Quando acontece algum tipo de problema durante sua formação embrionária, um acidente ou influência externa que quebre tal relação harmoniosa, nosso organismo apresenta o que talvez seja a mais importante de suas características, a adaptação.

Mr. Freeze

Se você já viu o filme, assistiu os desenhos ou leu os quadrinhos do Batman deve se lembrar do Mr. Freeze, também conhecido como Homem de Gelo, personagem que sobrevive graças a uma tecnologia oriunda da criogenia (ramo que estuda a produção de temperaturas muito baixas) e não se incomoda com temperaturas abaixo de zero.

O inverno não é a estação preferida de boa parte das pessoas, mas o frio não parece incomodar Wim Hof. Segundo o site da Discovery Channel, ele já passou mais de uma hora enterrado no gelo, nadou em águas congeladas por mais de 50 metros e escalou o Mont Blanc (montanha mais alta do continente europeu) descalço.

O frio não é problema para o super-humano

Suspeitas apontam que Hof consegue controlar sua fisiologia e a temperatura do seu corpo, fato que o possibilita realizar tais proezas, que matariam uma pessoa comum. O que realmente acontece com Wim ainda é uma incógnita, mas pode sugerir uma evolução da raça humana. Já imaginou esquiar nos Alpes suíços apenas de bermuda e regata?

Os super-humanos

Para algumas situações o corpo humano não consegue adaptar-se ou regenerar-se satisfatoriamente. A preocupação com a saúde e a qualidade de vida é um dos focos mais pesquisado pelos cientistas atualmente e a tecnologia tem sido uma grande aliada da medicina na busca por alternativas que promovam a melhora de funções do corpo humano.

Sem dúvida, o avanço tecnológico abre oportunidades e expectativas excepcionais para o futuro da humanidade. Não são poucos os experimentos que prometem revolucionar o tratamento de doenças e dar esperança a muitas pessoas debilitadas.

Homens metálicos

A amputação de membros é uma situação traumática e que exige muita perseverança para uma completa recuperação psicológica. A debilidade e o sentimento de impotência são os fatores que mais atrapalham a adaptação de pessoas que passaram por esse tipo de procedimento cirúrgico.

As chamadas próteses inteligentes são uma maneira de auxiliar o processo de readaptação desses indivíduos com a rotina que levavam anteriormente. A tecnologia, através de reformulações das ligações do sistema nervoso, reproduz movimentos naturais do homem. Basta a pessoa pensar para realizar o movimento.

 A tecnologia auxiliando a melhora de vida das pessoas

Fonte da imagem: site da empresa Touch Bionics Inc

A perfeição das ações geradas ainda não é perfeita, mas este gênero de aparelho vem recebendo pesados investimentos em desenvolvimento. Resultado disso são próteses ainda mais avançadas - conforme apresentado pela EPA European Pressphoto Agency -, as quais devolvem as percepções sensoriais ao usuário. Isso significa que o mecanismo consegue interagir com o cérebro e mandar informações de textura e temperatura.

Visão além do alcance

Pessoas que tiveram a visão afetada por alguma doença agora contam com uma tecnologia para voltar a enxergar. O olho biônico, desenvolvido pela Bionic Vision Australia, atua através de uma câmera minúscula e um chip inserido no globo ocular do paciente.

A câmera, disposta em um par de óculos, capta as imagens e as transforma em sinais elétricos que são enviados para o chip. Este componente é responsável pela transferência dos estímulos para os neurônios da retina. A resolução percebida ainda é baixa, mas já um grande passo para quem perdeu a visão. A previsão de implantes da tecnologia, de acordo com boatos na internet, é para o ano de 2013.

Visão além do alcance

Não somente nesse aspecto de recuperação, a novidade abre possibilidades incríveis para aumentar o alcance e, quem sabe, incrementar a visão do ser humano. Não seria bacana receber informações de distância, tamanho, peso e temperatura de objetos assim que focalizados?

Órgãos postiços

E se os hospitais pudessem “imprimir” novos órgãos? O tratamento a uma imensa diversidade de doenças seria muito mais prático e eficiente e as filas de espera por transplantes acabaria. Pode até parecer exagero a situação explicitada, mas máquinas que criam células artificiais já existem.

O Organovo NovoGen, como informado pelo site Rob Aid, usa células do paciente para gerar uma “tinta biológica” que, aplicada a um papel específico para assimilação do organismo, consegue reproduzir os tubos sanguíneos artificiais. Os cientistas esperam que no futuro órgãos completos sejam “impressos”.

Impressão de órgãos deve ser comum no futuro

A reprodução de partes do corpo não para por aí. No artigo publicado pela Reuters, uma tecnologia para gerar células da pele já está sendo testada. Esta tecnologia seria de grande utilidade para os casos de queimadura, atingindo impressionantes reduções no tempo de recuperação do ferido.

Outra inovação nesse contexto é a criação de ossos em incubadoras. Os experimentos realizados na Universidade de Columbia (segundo a página do jornal The New York Times) usaram células-tronco para gerar pequenos ossos em laboratório. Os especialistas asseguram que esse procedimento deve reduzir o índice de rejeição do organismo para esse tipo de implante.

Poderes mentais

Comandos com a força do pensamento

Já imaginou trocar o canal da televisão apenas com a força da mente? Ou quem sabe controlar um robô simplesmente ao pensar em seus comandos? Não, isso não é viagem da Equipe Baixaki. Um estudo com gatos foi publicado na revista eletrônica Nature Materials, na qual chips foram implantados nos cérebros dos animais.

O monitoramento das atividades cerebrais proporciona uma infinidade de possibilidades para a atuação do componente eletrônico no corpo humano. As pesquisas ainda necessitam avanços, mas já são promissoras. Pelo jeito, passar de ano na escola ou faculdade não deve ser mais um problema, é só comprar o conteúdo que deseja na internet e atualizar seu chip de memória. Que bom se isso fosse possível, não é mesmo?

Que fim nós levaremos?

A união entre a medicina e as tecnologias, sem sombra de dúvida, é promissora em diversificados aspectos. Primeiramente, no que concerne a readaptação de pessoas que possuem algum tipo de deficiência - motora ou visual, por exemplo -, o que deve ser um importante fator na melhoria de vida dessas pessoas.

A criação de órgãos através das células-tronco, tema polêmico e que perdura em debates por especialistas, é mais uma tecnologia que promete auxiliar na recuperação de doenças e ferimentos. A saúde do homem deve sofrer diferentes maneiras de tratamento e, o melhor, prevenção de doenças.

Ao que tudo indica, as próteses inteligentes, os chips nos cérebros, a visão aperfeiçoada e a cura de enfermidades instantaneamente não são pensamentos tão futuristas. Na velocidade em que o desenvolvimento tecnológico ocorre atualmente, não se surpreenda se daqui a algumas décadas se deparar com super-humanos ou homens biônicos pelas ruas, ao melhor estilo Robocop.

O super-humano mais famoso

Imagem de divulgação da MGM Studios

Será que tais tecnologias chegarão a proporcionar melhoria nas nossas vidas? Em quais outras possibilidades estas inovações poderiam ser utilizadas? Seremos escravos ou viciados nestes novos campos da tecnologia?


Um comentário:

  1. Para alguém comum como eu, é deslumbrante que tais coisas possam fazer parte da vida cotidiana, creio que qualquer pessoa que tenha necessidade de fazer um transplante ou necessite de alguma prótese não exitaria em buscar esses avanços, porém o deslumbre se transforma em temor quando pensamos na primeira parte da postagem onde descreve uma maquiavélica competição, visando um gigadeath, o qual será inevitável se considerarmos um cenário compacto em um futuro breve, onde as distâncias se encurtam a cada dia com a globalização.
    Mas veja esse ponto de vista:
    O ser humano foi criado para ser eterno, e mesmo após ter caído, esta essência permanece dentro de cada um, pois podemos acompanhar a batalha de pessoas contra a morte, mesmo na pior das aflições preferem ficar aqui, mesmo se soubessem que morrendo pra este mundo teriam algo melhor preferem permanecer aqui, ainda que sem os braços, sem pernas, sem parte do tronco preferem viver porque a eternidade está arraigada no ser humano, é claro que existem exceções, mas viver faz parte da natureza humana e isso misturado com vários propósitos e interesses numa corrida ilimitada sem precedentes, a ciência se multiplica como está profetizado e com ela também se multiplica a iniquidade e a frieza de alma.
    Em relação á questão levantada no final da matéria, creio que os benefícios colhidos por estes avanços serão restritos ou inacessíveis pela maior parte das pessoas, porque se nem a um exame básico a maioria tem acesso, demorando meses e até anos para conseguir uma brecha, imaginemos então conseguir próteses, órgãos e tudo mais, creio que seremos condicionados a depender destes avanços sendo cada vez mais difícil a sobrevivência de classes mais pobres.

    Estejamos sempre com O Senhor.

    ResponderExcluir

Por favor, note que os comentários são moderados e que todos
os spams, insultos, proselitismo e discursos de ódio serão removidos.