sábado, 10 de setembro de 2011

Como nos dias de Como nos dias de Noé, o retorno dos Nefilins- Parte 15 : Os anjos decaídos e os heróis mitológicos (Hércules, Pólux, o Tártaro e o mundo inferior)


MONUMENTOS, PINTURAS, TEXTOS ANTIGOS  E A BÍBLIA SAGRADA PARECEM PROVAR A PRESENÇA DE SERES DIFERENTES DE NOSSA RAÇA DENTRO DE NOSSAS CULTURAS...
QUEM ERAM?
DE ONDE VIERAM?
QUAL ERA SUA MISSÃO?
ELES IRÃO RETORNAR?

COMO NOS DIAS DE NOÉ: O RETORNO DOS NEFILINS!


Tamanha era a extensão da violência e da imoralidade praticada por quase toda a população do mundo inteiro que Iahweh teve de des­truí-la. Assim, todas as coisas vivas que respiravam foram afogadas no Dilúvio de Noé. Mas os anjos caídos originais não são simplesmente car­ne e osso e não podem ser afogados como as criaturas humanas. Então Iahweh teve de confinar esses espíritos num lugar de onde não poderiam escapar. Lemos sobre esses seres somente em três versículos na parte final do Novo Testamento. Primeiramente, na Epístola de São Pe­dro. Falando do Messias ressuscitado, Pedro nos diz:

Morto na carne, sim, mas vivificado no espírito, no qual também foi e pregou (grego: kerusso) aos espíritos em prisão, os quais nou­tro tempo foram desobedientes quando a longanimidade de Deus aguardava nos dias de Noé, enquanto se preparava a Arca, na qual poucos, a saber, oito pessoas, foram salvos, através da água.
1 Pedro 3:18-20

Aqui, a palavra grega que significa "pregar" é kerusso, "proclamar, anunciar". Trata-se de uma revelação fenomenal. Dizem-nos aqui que o Messias ressuscitado, em seu novo corpo espiritual, foi a essa prisão on­de estavam confinados os seres sobrenaturais e proclamou ou anunciou seu triunfo sobre esses espíritos do mal.
Essencialmente, poderíamos pressupor que ele apareceu triunfal­mente a esses seres sobrenaturais malignos e disse-lhes, em nosso lin­guajar contemporâneo, algo mais ou menos como: "Aqui estou, rapazes. Todos os seus planos falharam, não deram em nada. Ressuscitei dos mor­tos e, em resumo, a hora de vocês chegou, é o seu fim ... vocês vão me ver de novo!"
Essa passagem afirma que esses espíritos são aqueles que foram "de­sobedientes" nos dias anteriores ao Dilúvio e que, em consequência de seu pecado, estão presos nesse lugar aguardando o julgamento fu­turo. Na segunda Epístola de Pedro temos pormenores:
Se Deus não poupou os anjos que pecaram, mas lançou-os no in­ferno (grego: Tártaro) e os entregou a abismos tenebrosos do Tár­taro, onde estão presos à espera do juízo, nem poupou o mundo antigo, mas ao trazer o Dilúvio sobre o mundo dos ímpios, preser­vou apenas Noé, o pregoeiro da justiça, e mais sete pessoas...
2 Pedro 2:4, 5

Isso nos diz que esses anjos que cometeram o pecado que precipi­tou o Dilúvio foram "lançados no Tártaro". O que torna isso interessante é o fato de que a palavra Tártaro é usada uma única vez em todo o Novo Testamento. O único outro lugar onde a encontramos é na mitologia gre­ga. O Tártaro descrito por Homero é a prisão subterrânea dos Titãs ou gi­gantes, que se rebelaram contra Zeus. Semelhantemente, textos egípcios falam de "Mundo inferior". Essas "mitologias" antigas poderiam estar des­crevendo o lugar onde os Nephilim, anjos caídos malignos que perpetra­ram toda violência e crimes hediondos nos dias de Noé, estão presos!
  
Tártaro (mitologia)
''O Tártaro é personificado por um dos deuses primordiais, nascidos a partir do Caos(apesar de alguns autores o considerarem irmão de Caos). Suas relações com Gaia geraram as mais terríveis bestas da mitologia grega, entre elas o poderoso Tifão.
Assim como Gaia era a personificação da Terra e Urano a personificação do Céu, Tártaro era a personificação do Mundo Inferior. Nele estavam as cavernas e grutas mais profundas e os cantos mais terríveis do reino de Hades, o mundo dos mortos, para onde todos os inimigos do Olimpo eram enviados e onde eram castigados por seus crimes. Lá os Titãs foram aprisionados por Zeus (Júpiter), Hades (Plutão) e Poseidon (Netuno) após a Titanomaquia.
Na Ilíada, de Homero, representa-se este mitológico Tártaro como prisão subterrânea 'tão abaixo do Hades quanto a terra é do céu'. Segundo a mitologia, nele eram aprisionados somente os deuses inferiores(NEFILINS?), Cronos e outros titãs, enquanto que os seres humanos, eram lançados no submundo, chamado de Hades.

 O poeta grego Hesíodo garantiu que uma bigorna de bronze cairia do céu durante nove dias até alcançar a terra, e que cairia outros nove dias até atingir o Tártaro. Sendo um lugar tão profundo no chão, estava coberto por três camadas de noites, que se seguiam a um muro feito de bronze a cercar este distante subterrâneo.
Era um poço úmido, frio e desgraçadamente imerso na mais tenebrosa escuridão.


O mundo primordial, segundo 
Mitologia Grega.
Enquanto, segundo a mitologia grega, o Submundo (Érebo, reino de Hades) era o lugar para onde iam os mortos, o Tártaro tinha vários moradores. Quando Cronos era o deus que governava o mundo, prendeu os Ciclopes no Tártaro. Zeus os libertou, para que o ajudassem na sua luta contra os titãs - que acabaram sendo derrotados pelos deuses do Olimpo, e aprisionados neste desolador tugúrio. 
O Tártaro também é o local onde o crime encontra seu castigo. Um bom exemplo é o de Tântalo, que desfrutava da confiança dos deuses, conversando e ceando com eles, dividiu a comida e os segredos divinos aos seus amigos. Sua punição pela perfídia consistia em ser mergulhado até o pescoço em água fria, que desaparecia sempre que tentava bebê-la para aplacar a enorme sede, além de ver frutificando logo acima de sua cabeça deliciosas uvas que, quando tentava colhê-las, subiam para fora de seu alcance.
 
Fonte: Wikipédia
 
Judas, versículo 6, faz outra menção desse grupo específico de an­jos caídos:

E os anjos, os que não guardaram o seu estado original, mas aban­donaram o seu próprio domicílio, Ele tem presos sob trevas, em algemas eternas, para o juízo do grande dia.
Epístola de Judas 6

Sem esmiuçarmos muito o texto grego: o parágrafo acima, "Eles não guardaram o seu estado original, mas abandonaram o seu próprio domicí­lio..." significa que eles deixaram seu reino espiritual e manifestaram-se no reino terrestre. A dedução é que, tendo abandonado seu estado espi­ritual, já não podiam regressar a ele e estavam obrigados a permanecer na Terra para sempre. Mas como não são de carne e osso e sim seres celes­tiais (ainda que apresentem forma física e possam ser vistos), eles não morrem como mortais e, portanto, têm de ser enclausurados nos cala­bouços sombrios conhecidos como Tártaro.
Eu gostaria agora de mudar ligeiramente de rumo e introduzir ou­tra idéia.
No Evangelho de Marcos, capítulo 5, temos o relato de um encon­tro ente o Messias e um homem que estava possuído por muitos espíri­tos maus. Era um homem desvairado. Quando o amarravam com correntes ou cordas ele as rompia. Vivia nos túmulos e gritava e feria-se com pedras. Quando se viu frente a frente com o Messias, o espírito mau que falava por meio do homem disse que seu nome "era legião... porque somos muitos". E suplicaram ao Messias que não os lançasse ao Abismo. (A propósito, uma legião romana era composta de aproximadamente 6.000 homens.)
A palavra grega que significa "abismo" é abussos. Às vezes é tradu­zida por "Profundezas" e outras vezes por "Poço do Abismo". Mas antes de examinarmos essa passagem, recapitulemos sucintamente alguns pon­tos que já demonstramos.
Os anjos caídos chamados Nephilim e seus descendentes habitaram a Terra antes e depois do Dilúvio de Noé. Em épocas antigas, estes foram os homens de renome, os heróis da antiguidade, figuras poderosas que fi­caram famosas. Coordenando essas informações com as antigas mitolo­gias grega e romana podemos arriscar-nos a dizer que os deuses de outrora eram realmente os Nephilim e sua prole!!! E que esses antigos mi­tos, de fato, fundamentam-se em verdades primitivas que se transforma­ram em lendas, as quais, através dos tempos, nos foram transmitidas.
Ademais, demos nomes a muitos desses deuses esclarecendo que as­sim como são conhecidos nos textos hebraicos igualmente como "estre­las" e "anjos", assim também receberam nomes de estrelas e planetas reais, nomes que remontam à antiguidade. Assim os Nephilim são co­nhecidos por nomes como Apolo, Hércules, Orion, Pégaso, Perseu e planetas como Marte, Júpiter, Mercúrio, Saturno, Netuno, Plutão, Urano etc... QUE NA VERDADE SÃO NOMES DOS NEFILINS MAIS FAMOSOS DA ANTIGUIDADE!Atualmente, só conhecemos cerca de 100 desses nomes antigos de estre­las. Contudo, não me surpreenderia se os nomes de todos os outros as­sim chamados deuses da Grécia e de Roma fossem, também, os nomes reais de estrelas há muito perdidas ou esquecidas.
Verificamos que esses seres sobrenaturais caídos que vieram à Terra e corromperam a humanidade inteira encontram-se confinados num lu­gar chamado Tártaro. Observamos também que o Messias ressuscitado vi­sitou essas criaturas nessa prisão e proclamou seu triunfo sobre elas. Vamos agora nos deslocar para o futuro, para o centro dos acontecimen­tos descritos no Apocalipse, o Livro da Revelação:

O quinto anjo tocou a trombeta, e vi uma estrela (anjo) caída do céu na Terra. E foi-lhe dada a chave do poço do abismo. Quando ele (a estrela ou o anjo) abriu o poço do abismo, subiu fu­maça do poço como fumaça de grande fornalha, e, com a fuma­ceira saída do poço, escureceu-se o sol e o ar.
Apocalipse 9:1, 2

Observe mais uma vez que um anjo é chamado de "estrela". Ao abrir o poço do abismo, o anjo libera fumaça semelhante à de uma grande for­nalha. A passagem prossegue e descreve "gafanhotos" que também emer­gem do poço. Esses gafanhotos recebem o poder de torturar pessoas como os escorpiões, mas não de matá-las. A agonia sofrida pelas vítimas dessas picadas é igual à das vítimas das picadas por escorpiões. Mas eis que ocor­re um episódio muito interessante com relação a esses gafanhotos:

E tinham sobre eles, como seu rei, o anjo do abismo, cujo nome em hebraico é Abadom, e, em grego, Apoliom.
Apocalipse 9:11

Tanto Abadom quanto Apoliom significam ''O Destruidor''.
Seria o abismo, também conhecido como Inferno ou Poço do Abis­mo, o mesmo lugar chamado de Tártaro na Epístola de Pedro? Seria es­sa a atual morada dos anjos malignos que habitavam o mundo antes do Dilúvio? E não haverá uma nítida semelhança etimológica entre o deus grego da antiguidade chamado Apolo e o anjo aqui descrito como o rei que tinha domínio sobre os gafanhotos do abismo, cujo nome em grego é Apoliom?
Não estou afirmando que essa hipótese é a verdade definitiva. Mas se juntarmos todas as peças do quebra-cabeça baseado nas Escrituras, a mitologia greco-romana e os demais pedaços de informações que exa­minamos, daria a impressão de que o Apolo mitológico é um dos princi­pais Nephilim que pecaram na época de Noé e foram lançados no Tártaro por sua transgressão. E que esse mesmo homem sobrenatural maligno não é ninguém mais que Apoliom, o rei que imperava sobre os gafanho­tos que, no futuro, deverão emergir do poço do Abismo, o Inferno, para levarem agonia e destruição ao povo da Terra.
 Por ora, creio que o que foi dito acima é pertinente ao contexto que vimos seguindo até aqui.
Se essa conjectura mostrar ser a verdade, ela confirmará que os deu­ses antigos, os deuses da Grécia e de Roma eram realmente os Nephilim e seus descendentes, e que essas criaturas encontram-se agora confina­das no Tártaro, o mundo inferior dos mitos e o poço do abismo ou Abis­mo das Escrituras aguardando o dia do julgamento. Além do mais, o trecho citado do Apocalipse, capítulo 9, afirma que o anjo que recebeu a chave para abrir o Poço do Abismo havia caído à Terra do céu, o que su­geriria que o abismo ou o Tártaro do qual Apoliom e os "gafanhotos" emergem é aqui na Terra. Isso combinaria com as mitologias que falam de um mundo inferior subterrâneo. Hades, irmão de Zeus e casado com Perséfone, era o guardião do mundo inferior, a morada dos mortos. Na mi­tologia romana ele é Plutão. No Egito, o soberano e juiz do mundo infe­rior era o deus Osíris, irmão e consorte de Ísis.

 SIGNOS DO ZODÍACO, ASTROS E ESTRELAS DO CÉU

 
Segue-se um breve resumo dos 12 signos do Zodíaco  (sugiro ao leitor que consulte a obra de E. W. Bullinger, Witness of the Stars, para conhecer um estudo mais minucioso e comple­to).
 



ZODÍACO
Zodíaco (do latim zōdiacus, por sua vez do grego antigo ζωδιακός κύκλος, transl. zōdiakós kýklos, "círculo de animais", derivado de ζώδιον, transl. zōdion, diminutivo de ζῶον, zōon, "animal") é uma faixa imaginária do firmamento celeste que inclui as órbitas aparentes da Lua e dos planetas Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter, Saturno, Urano e Netuno. As divisões do zodíaco representam constelações na astronomia e signos na astrologia.

Panorama de 360º com as constelações sobrepostas ao céu noturno.

O zodíaco da astronomia


Chama-se de zodíaco o conjunto de constelações ao longo da eclíptica (o caminho aparente percorrido pelo Sol durante o ano).

As 12 constelações que compõem o zodíaco são:

  • Aries, o carneiro - 21.03 a 20.04
  • Taurus, o touro - 21.04 a 20.05
  • Gemini, os gêmeos - 21.05 a 20.06
  • Cancer, o caranguejo - 21.06 a 21.07
  • Leo, o leão - 22.07 a 22.08
  • Virgo, a virgem - 23.08 a 22.09
  • Libra, a balança - 23.09 a 22.10
  • Scorpius, o escorpião - 23.10 a 21.11
  • Sagittarius, Sagitário, o arqueiro - 22.11 a 21.12
  • Capricornus Capricórnio, a cabra-do-mar - 22.12 a 20.01
  • Aquarius, Aquário ou Aguadeiro, o carregador de água - 21.01 a 19.02
  • Pisces, os peixes - 20.02 a 20.03

O zodíaco da astrologia


O conceito de zodíaco tem interpretações diferenciadas nas astrologias ocidental, chinesa e védica.
Na astrologia Ocidental, o Zodíaco é representado como uma circunferência onde estão colocados os planetas da forma como se apresentavam no céu no momento do nascimento do assunto estudado (que pode ser uma pessoa, cidade, país etc.) — o mapa astrológico da pessoa ou evento.
Os 360° (graus) da circunferência estão divididos em doze signos zodiacais (Áries ou Carneiro, Touro, Gêmeos, Câncer ou Caranguejo, Leão, Virgem, Libra ou Balança, Escorpião, Sagitário, Capricórnio, Aquário e Peixes) e cada um é regido por um planeta/astro (Marte, Vênus, Mercúrio, Lua , Sol, Mercúrio, Vênus, Plutão, Júpiter, Saturno, Urano e Netuno, respectivamente).
Ao mesmo tempo, este espaço também está dividido em doze casas zodiacais, cada uma relacionada a assuntos específicos da vida analisada. Cada uma destas casas também é relacionada ("regida por") a um dos signos acima. As casas representam as 24 horas do dia.
No mapa astrológico de uma pessoa ou evento, o signo que ocupa a cúspide de cada casa, isto é, que está "passando" sobre cada casa, depende do horário e local de seu nascimento. Por exemplo: se a pessoa nasceu ou o evento aconteceu, entre 4h e 6h no Rio de Janeiro, Brasil, a casa 1 estará em Áries. Entre 2h e 4h, será Touro, e assim por diante.
O signo na cúspide da casa 1 é o chamado signo ascendente, fator importante do mapa, relacionado às características da personalidade do sujeito.
FONTE: Wikipédia
 

Desde que pela primeira vez se mencionam estrelas no primeiro capítu­lo do Gênesis, lemos que estas não são apenas para iluminar, mas tam­bém para servir de sinais para assinalar a vinda de algo ou de alguém. Ficamos sabendo que esse conhecimento das estrelas teria sido transmi­tido de geração a geração por meio da tradição oral. Mas estava já quase completamente perdido, uma vez que depois do advento da palavra es­crita tornara-se desnecessário. Vimos também que outros seres sobrena­turais possuem esse conhecimento astronômico, já que questões referentes a estrelas lhes dizem respeito. Dessa maneira, inclusive muitas das pi­râmides e outros monumentos portam informações astronômicas e particularidades que se restringiriam apenas aos iniciados. Concluímos esta seção com uma citação de 1 Coríntios 15:39-41.

Nem toda carne é a mesma; porém uma é a carne dos homens, ou­tra, a dos animais, outra, a das aves, e outra a dos peixes. Também há corpos celestiais e corpos terrestres; e, sem dúvida, uma é a glória dos celestiais, e a outra, a dos terrestres.
Uma é a glória do sol, outra a glória da lua, e outra, a das estrelas; porque até entre estrela e estrela há diferenças de esplendor.

Hoje em dia empregamos a palavra "estrela" para nos referir aos fa­mosos: atores, personalidades do esporte e outras celebridades. Mas ou­tros homens de fama, estrelas e heróis de antigamente, viveram nesta terra no passado distante e nebuloso, há 5.500 anos. É para estes que vol­taremos agora nossa atenção. ASSIM NÃO É DE SE ESTRANHAR QUE OS ASTROS, PLANETAS ,ESTRELAS ,ETC.,TENHAM NOME DOS ''DEUSES'' DA ANTIGUIDADE, POIS NA VERDADE SÃO NOMES DE DEMÔNIOS, UMA HOMENAGEM AOS ESPÍRITOS DECAÍDOS!
  Esta lista dos 12 signos do Zodíaco e uma outra de 36 constelações conhecidas em  nomes hebraicos e árabes dessas e de suas estre­las principais fornecem muitas informações. No contexto deste capítulo é interessantíssimo observar que no signo de Gêmeos, que significa "os gêmeos", as duas estrelas principais são da mesma magnitude. Em gre­go, elas são chamadas de Apolo e Hércules. Os latinos chamavam-nas Cas­tor e Pólux (que era o nome de um navio no qual Paulo voltou de Malta depois de ter naufragado lá: Atos dos Apóstolos 28:11).
Apolo e Hércules eram filhos gêmeos de Júpiter (Zeus) e de Leda, em­bora alguns afirmem que Ártemis (ou Diana) era a irmã gêmea de Apolo. Ártemis é a deusa grega do sexo e da fertilidade. Para os romanos, ela era Diana. Ártemis e Diana são ambas identificadas como Ástarote, que era uma deusa e um ídolo dos fenícios, dos filisteus e dos sidônios. Esses po­vos modelavam árvores e arbustos na forma da genitália feminina para objetivos de culto.


Hércules

"Hércules do Fóro Boário", em bronze, com a maçã das Hespérides; romano, século II a.C. (Museus Capitolinos, Roma).
Um ser real, porem , um nephilim. (Opinião do blog)
Hércules (em latim: Hercules) era o nome em latim dado pelos antigos romanos ao herói da mitologia grega Héracles, filho de Zeus e da mortal Alcmena. As antigas fontes romanas indicam que o herói grego "importado" veio substituir um antigo pastor mitológico chamado pelos povos da Itália de Recaranus ou Garanus, e que era famoso por sua força. Enquanto o mito de Hércules incorporou muito da iconografia e da própria mitologia do personagem grego, ele também tinha um número de características e lendas que eram marcadamente romanas.

 
 Estatuto de associação religiosa na Grécia durante o período romano, cujos membros cultuavam Hércules

 Fonte: Wikipédia



 O ''HEROI'' Hércules matou um monte de criaturas híbridas, provavelmente, esperimentos Nephilímicos, criando um embuste para sua adoração:
Destacam-se dentre estes mitos os famosos doze trabalhos de Hércules:
  1. matar o leão de Nemeia
  2. matar a Hidra de Lerna
  3. capturar o javali de Erimanto
  4. capturar a corça de Cerinéia
  5. expulsar as aves do lago Estínfalo
  6. limpar as estrebarias de Aúgias
  7. capturar o touro de Creta
  8. capturar os cavalos de Diómedes
  9. obter o cinturão de Hipólita, rainha das Amazonas
  10. buscar os bois de Gerião
  11. buscar os pomos de ouro do jardim das Hespérides
  12. capturar o cão Cérbero


Contudo, o importante aqui é que uma das duas estrelas mais bri­lhantes de Gêmeos tem o nome de Apolo, que significa "soberano" ou "juiz". (Em Apocalipse 9, Apoliom é o rei [soberano] dos "Gafanhotos" infernais.) Ademais, isso dá credibilidade à nossa tese de que os "caídos" originais, os anjos rebeldes, receberam nomes em homenagem a estrelas e conser­varam esses nomes quando chegaram à Terra. Esses nomes sobreviveram por meio dos mitos e lendas antigas e nós os reconhecemos aqui como os "poderosos homens de renome, os heróis de antigamente que ga­nharam nome", os Nephilim. E a outra das duas estrelas mais brilhantes de Gêmeos é Hércules que faz par com Apolo. Essas duas estrelas (anjos) caíram na Terra e são dois dos principais deuses do começo da pré-his­tória.
A propósito, numa clareira isolada dominada pelo monte Parnaso a aproximadamente 10 quilômetros do Golfo de Corinto, situa-se Delfos. Ali localizava-se o mais importante santuário de Apolo, que incluía o tem­plo, o teatro e tesouros. Em Delfos, o oráculo de Apolo era consultado. Foi descoberto em 1890. O que é intrigante é o fato de que o Delfim é uma constelação no signo da estrela Capricórnio que está situada no he­misfério norte perto de Pégaso e Águia. Prova adicional do conhecimen­to astronômico dos Nephilim e de suas conexões com os corpos celestes e seus deslocamentos, visto que Delfos obviamente deriva seu nome da constelação do Delfim, ISTO É ESPANTOSO, VISTO QUE OS HOMENS DA ANTIGUIDADE NÃO TERIAM APARENTEMENTE AS NOSSAS CODIÇÕES TÉCNICAS E TECNOLÓGICAS PARA OBSERVAREM AS CONSTELAÇÕES, ALGUEM LHES PASSOU ESTES CONHECIMENTOS!
Agora, decifrem isto. Anteriormente, neste capítulo, examinamos trechos da primeira e da segunda Epístolas de Pedro e um de Judas 6 re­lativamente aos anjos e seres sobrenaturais que estão enclausurados nu­ma sombria prisão chamada Tártaro, aguardando o julgamento futuro. Lemos que o Messias ressuscitado, em seu novo corpo espiritual "proclamou seu triunfo" perante esses homens satânicos. A primeira Epísto­la de Pedro 3:19 identifica esses seres sobrenaturais ou anjos como aqueles que pecaram na época de Noé. Em outras palavras, Pedro afirma especificamente que o Messias apareceu, na prisão, para esses seres so­brenaturais, os Nephilim, que haviam causado todo o caos anteriormen­te ao Dilúvio. Agora vejamos o quebra-cabeça. Se os seres sobrenaturais que realizaram a primeira investida na Terra estão presos no Tártaro, on­de estarão os anjos caídos que produziram a segunda investida algum tempo depois do Dilúvio?
Um estudo cuidadoso dos três trechos sucintos mostra que os anjos que cometeram pecado estão nessa prisão. Mas os textos em questão só identificam especificamente o Messias visitando os caídos que foram res­ponsáveis por toda a violência e maldade na Terra antes do Dilúvio. De maneira que outra pergunta se faz necessária: onde estão os Nephilim que se materializaram depois do Dilúvio e começaram a multiplicar-se e a en­cher a terra de Canaã durante vários séculos, do tempo de Abraão, c. 1.912 a.C. até a época de Davi, quase 1.000 anos mais tarde?
Os "filhos de Deus" que produziram a primeira investida antes do Dilúvio poderiam ser os mesmos que produziram a segunda algum tem­po depois. Isso parece tanto ilógico quanto implausível, uma vez que os espíritos que estavam ativos antes do Dilúvio foram lançados à prisão por causa dos seus pecados. Mas se um segundo grupo desses seres, uma vez tendo saído de sua morada espiritual e tendo-se materializado no do­mínio dos sentidos não consegue voltar, então isso deve significar, se nos­sas deduções estiverem corretas, que esse mesmo grupo de Nephilim ainda está perambulando ou está oculto em algum lugar do nosso mun­do atualmente!


O Messias ressuscitado visitou esses prisioneiros sobrenaturais - res­ponsáveis pela investida contra os humanos que precipitou o Dilúvio -em seu confinamento. Dado o fato de que as Escrituras mencionam ape­nas essas criaturas do período anterior ao Dilúvio, podemos inferir que os anjos responsáveis pela segunda investida, depois do Dilúvio, possam estar ainda em liberdade. Isso explicaria algumas das estruturas em ques­tão nas Américas e no Camboja, erigidas em épocas muito mais recentes.
Um dos principais soberanos do panteão dos avatares antediluvianos nas lendas gregas é Apolo. No meio do Apocalipse vindouro, o Poço do Abismo é aberto e do seu interior emerge uma horda infernal de seres sobrenaturais. Esse bando está sob o domínio de um rei cujo nome em hebraico é Abadom e, em grego, Apoliom. Há uma clara conexão etimo­lógica entre o antigo deus grego Apolo e esse futuro destruidor, Apoliom, que deverá ser libertado do Abismo no Apocalipse. (A propósito, em fran­cês, Apolo é Apollon!)
Isso provaria que os deuses de antigamente, os heróis das lendas, eram realmente os Nephilim e seus descendentes. Estes eram "estrelas" que caíram do céu e corromperam a pureza de toda a raça humana a tal ponto que esta teve de ser destruída.
Apresentaremos mais indícios assombrosos e conclusivos no capí­tulo relativo ao Livro de Enoque, Os Guardiões, que mostrarão, sem qualquer dúvida, que essa sequência de acontecimentos é mesmo a ver­dadeira.


 Estamos nos aproximando do final de nosso estudo de Gigantes na Terra, temos descoberto até agora que a nossa história antiga não é bem o que tem sido ensinado na escola, e nem na escola dominical. Esqueçam tudo que te contaram, pois tudo é manipulado...
CONTINUA...

7 comentários:

  1. Essa parte foi muito conclusiva e objetiva mostrou o que eu já suspeitava, como dizem os escavadores e arqueólogos que a bíblia e uma parte da historia da humanidade...

    ResponderExcluir
  2. oi por que vcs do apokalink
    ja pensaram em fazer um dvd sobre ese tema
    seria interesante
    as pessoas emtedenriam melhor ese asunto
    vcs podian faser como o irmão rubems do da serie prepare-se um braço estão fasendo um exelente trabalho que deus os abençoe

    ResponderExcluir
  3. Irmão do Apocalink, quero agradecer a Deus por tua vida pelo fato de tão generosamente repartir este conhecimento, para muitos loucuras, mas que, para os que têm olhos abertos, são desvendamentos importantes no preenchimento de lacunas no desenrolar da verdadeira história da humanidade.
    quero dizer que desde que que ainda adolescente(isso já faz bastante tempo...) li Gn, 6, acerca dos 'gigantes da antiguidade', logo me vi pensando nos seres humano/deuses da mitologia greco-romana.
    Depois de tudo que li sobre isso em outras fontes, e agora aqui no Apocalink, persistem algumas questões: 'Esses 'filhos de Deus' que viram as filhas dos homens e se uniram sexualmente a elas, pertenciam à leva dos anjos caídos com Lúcifer na rebelião no céu, ou eram anjos de Deus que foram tentados pelo pecado sexual e caíram?
    * Outra: Esses seres híbridos, mais ou menos humanos, antigos ou atuais, ainda teriam chance de salvação e resgate pelo sacrifício do Senhor Jesus no Calvário ?
    Agradeço muito a atenção em responder-me.
    Deus os abençõe!!!

    ResponderExcluir
  4. almeida
    Salvação nenhuma, porque filhos de demonios.
    Arazão porque alguns anjos estão presos e outros livres permanece inexplicável,mas que há uma classe de anjos rebeldes presos, e que corromperam sexualmente a humanidade, isso há.

    ResponderExcluir
  5. Apocalink diz: "Salvação nenhuma, porque filhos de demonios."

    O que o apostolo Paulo tem a dizer sobre isso:

    Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades. Tudo foi criado por ele e para ele.

    E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele.

    E ele é a cabeça do corpo, da igreja; é o princípio e o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência.

    Porque foi do agrado do Pai que toda a plenitude nele habitasse,

    E que, havendo por ele feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, tanto as que estão na terra, como as que estão nos céus.
    Colossenses 1:16-20

    Considere também a reencarnação como uma crença presente nas Escrituras (João Batista era a reencarnação de Elias e as duas testemunhas do Apocalipse são as reencarnações de Elias e Moisés), você consegue compreender como O Criador demonstra seu amor através de seu filho que estava mais próximo dele: Yehoshua, nosso salvador...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. voce confunde poder de Deus com reencarnação.
      foi Deus quem passou poder a Moisés no caso dons milagrosos
      de abrir as agua por exemplo nenhum outro crente podera repitir esse feito por ser um poder de Deus!!!
      isso ou seja duas pessoas de israel ta erdando o poder que Deus deu a Moisés todos eles e de elias tambem entende no final dos tempos cumprindo as professias e não reencarnação caro e ingenuo amigo.

      Excluir
  6. Amigos do apocalink, eu gostaria de saber quando é que sai a parte 16 dessa série que eu achei Incrivel.

    ResponderExcluir

Por favor, note que os comentários são moderados e que todos
os spams, insultos, proselitismo e discursos de ódio serão removidos.