segunda-feira, 25 de julho de 2011

Os desastres feitos pelo homem

Estes são os desastres considerados como os mais bizarros do mundo. Todos feitos pelas mãos do homem. Confira.
O poço de Berkeley, Montana
Em novmenbro de 1995, um bando de gansos migraram e desembarcaram na Pit Berkeley Lake, uma mina de cobre cheia com mais de 40 bilhões de galões de água ácida e metais pesados. Após alguns dias de tempestade naquela região (impedindo a saída das aves) foram encontrados cerca de 340 aves mortas. O estado de Montana alegou que a exposição excessiva à água do poço tinha corroído o esôfago dos pássaros.

Picher, Oklahoma
Este lugar foi considerado pelos órgãos competentes como o lugar mais tóxico dos EUA. Picher já liderou no campo de mineração de zinco, mas a água ácida infiltrou-se dos tuneis de mineração, o que resultou num riacho vermelho e altamente tóxico. As minas subterrâneas se deterioram e ameaçam engolir toda a área. Montanhas de minério estão contaminadas com chumbo, que por sua vez pairam sobre a cidade praticamente vazia.
Mar de Aral, Cazaquistão
Projetos de irrigação soviética, decorrentes do Mar de Aral, drenaram lentamente o nível da água do mar, uma vez que era grande. Hoje, o mar está quase seco, dividindo-se em dois mares menores. Pode-se avistar barcos encalhados num vasto deserto, onde já foi mar.
A Mancha de Lixo, Oceano Pacífico
A Grande Mancha de Lixo do pacífico (como é chamado) é o maior depósito de lixo do mundo, apesar de que “aterro” não seria exatamente a palavra certa para isso. A mancha de lixo, também conhecido como Lixo do Pacífico Vortex, é composto por 3,5 milhões de toneladas de lixo, e desta quantia 90% é lixo plástico, que está girando entre o Havaí e a Califórnia. A Grande Mancha de Lixo do Pacífico é o dobro do tamanho do Texas.
Cactus Dome, Ilhas Marshall
No final de 1970, num esforço para limpar os restos radioativos, deixados pelas explosões de testes nucleares nas Ilhas Marshall, o governo americano desenterrou 111 mil metros cúbicos de solo radioativo e depositou numa cratera de 350 metros de largura, composto de 358 paineis gigantescos de concreto sobre o local. Isso custou ao governo um quarto de bilhão de dólares, levando três anos para sua conclusão. A área ainda é radioativa.
Nauru, na Micronésia
Décadas de mineração de fósforo a céu aberto devastaram mais de 80% das terras de Nauru. O que se vê é um deserto estéril, com pináculos de calcário com até 49 metros de altura. Com suas reservas esgotadas a economia do país entrou em colapso. Hoje, Nauru tem apenas uma faixa de 150 metros de largura, de terra fértil. 
A Zona de Chernobyl
Em 26 de Abril de 1986, a central nuclear de Chernobyl explodiu, liberando material radioativo para o ar e contaminando milhões de quilômetros quadrados. Sem pessoas, a cidade está começando a ser engolida pela floresta ao redor.
As portas do inferno, o Turquemenistão
Chamado de The Gates of Hell, no deserto do Turquemenistão ele é um buraco de 328 pés de largura que está em chamas, continuamente, por 40 anos. Isso ocorreu devido um incidente em 1971, quando uma sonda de perfuração soviética perfurou acidentalmente numa caverna subterranea de gás natural maciça, causando o desmoronamento de terra e de todo o equipamento de perfuração. A partir daí gases venenosos começaram a sair do buraco e para evitar uma catástrofe ainda maior os soviéticos incendiaram o buraco.

Um comentário:

  1. Isso é obvio o homem age igual a uma criança de 2 anos, que ganha um presente e quebra...

    Lamentavel

    ResponderExcluir

Por favor, note que os comentários são moderados e que todos
os spams, insultos, proselitismo e discursos de ódio serão removidos.