sexta-feira, 1 de maio de 2009

A história das igrejas protestantes no Brasil contrasta com a realidade atual

De fato o que me motiva a escrever para o Amenidades é o caráter imbatível da pluralidade de idéias que reina nesse site. Posso dizer que gosto muito de receber críticas, sejam elas positivas ou negativas, e leio cada uma com uma paciência de Jó.

Nessas últimas semanas estive pesquisando sobre o nascimento da igreja neopentecostal e pentecostal no Brasil. É inegável o fato de que as denominações neopentecostais são as que dominam o cenário das igrejas protestantes no Brasil. Há exatamente 201 anos atrás, quando os ingleses que escoltaram os Orleans de Bragança até as terras brasileiras e foram então autorizados a iniciar as suas práticas religiosas até os dias de hoje, a igreja protestante brasileira passou por momentos em que poderia ter tomado rumos maiores e significar um marco que contribuísse com a nação brasileira. Mas infelizmente seguimos outros rumos.

Historicamente com a vinda da família real portuguesa ao Brasil e abertura dos portos a nações amigas, através do Tratado de Comércio e Navegação, comerciantes ingleses estabeleceram Igreja Anglicana no país, em 1811. Seguiram a implantação de igrejas de imigração os alemães trouxeram o Luteranismo em 1824.

Mas o protestantismo chegou ao Brasil pela primeira vez com viajantes e nas tentativas de colonização do Brasil por huguenotes (nome dado aos reformados franceses), reformados holandeses e flamengos durante o período colonial. Esta tentativa não deixou frutos persistentes. Uma missão francesa enviada por Calvino se estabeleceu em 1557 numa das ilhas da Bahia de Guanabara, fundando a França Antártida. No mesmo ano, esses calvinistas franceses realizaram o primeiro culto protestante no Brasil e de acordo com alguns, da própria América. Mas, pela predominância católica, foram obrigados a defender sua fé ante as autoridades, elaborando a Confissão de Fé da Guanabara, assinando com isso sua sentença de morte e pondo um fim no movimento.

...

Eu estava em Nova York durante as eleições americanas quando ouvi o seguinte relato – por telefone – de um amigo meu cuja empregada é evangélica: „... disse que o Pastor da Igreja dela falou que o mundo todo está apoiando o Obama porque ele (talvez) possa preparar a entrada do Anti-Cristo no Mundo!“ ele me disse mesmerizado.
Outro fato curioso foi de um conhecido meu evangélico que mora na Europa e disse que a igreja na Europa está „Muito fria”.

O que tem se pregado nos púlpitos das igrejas de garagem por aí afora

Os pensamentos que me vieram à cabeça foram de clara indignação pelo fato do mundo estar em crise, de que temos tempos defecais pela frente e a igreja evangélica brasileira está repetindo os mesmos erros do passado. Ignorando o fato de que deve ser coerente e sendo o que podemos considerar de uma das igrejas mais legalistas existentes na atualidade.

De Lutero às Igrejas MCFé's

Entendi recentemente, me dando conta de que não somente eu, mas muitos outros cristãos brasileiros que concordam que a igreja Protestante brasileira necessita de uma reforma assim como Lutero fez acontecer em 1517.

Lutero?

Muitos leitores podem perguntar: "Mas hoje vivemos num mundo onde a onda são as igrejas evangélicas neopentecostais e pentecostais" ou "Não somos protestantes. Somos?" ou seja lá o que forem falar. O absurdo maior é que há mais 20 anos não se via um crescimento tão grande das igrejas brasileiras. Felizmente salvam-se almas e infelizmente cresce junto com a porcentagem de ignorância de fatos relevantes do que significa ser Evangélico ou Protestante.

Junto com essa nova onda de novos "apaixonados extravagantes" outro erro absurdo: extravagant em inglês no contexto do autor teria que ser traduzido extravasante [de extravasar, transbordar], mas a moda pegou. Continuando, bem junto com essa nova horda de novos convertidos vieram os mercados consolidados da fé, o que vamos tratar nesse texto de MCFé. O início de tudo vem da décadas entre 1950 de 1970 que viram nascer o movimento neopentecostal, com igrejas que enfatizam a prosperidade, como a IURD, fundada por Edir Macedo, em 1977; a Igreja Internacional da Graça de Deus, fundada por RR Soares, entre muitas outras. É também nessa década que mesmo a Igreja Católica no Brasil começa a sofrer influência dos movimentos pentecostais através da Renovação Carismática Católica: a nova contra-reforma de 1543, desta vez inicia não em Trento na Itália mas nos Estados Unidos.

Nota importante aos que acham que o que escrevo neste texto não condiz com a verdade nem com a coerência entenda: Igreja Evangélica, segundo o aspecto histórico, é toda congregação que concorda com a Reforma Protestante, notadamente os chamados Solas da Reforma: Sola Scriptura (somente a Bíblia), Sola Gratia et Fide (somente a graça mediante a fé) e Solus Christus (somente Cristo), os quais utilizam a Bíblia, Novo e Antigo Testamento como Livro Sagrado; e segundo o conceito analítico, chamam-se evangélicas as igrejas que se originaram diretamente na Reforma, ou as que concordam com o estilo dos ensinos fundamentais feitos por Jesus, quanto à salvação da alma e com relação ao merecimento das promessas descritas no Antigo Testamento, reconhecendo, por essa razão, a legitimidade desses ensinos. Evangélico é também um termo utilizado para significar aquilo que é concernente ao evangelho.

Crítica

Os MCFé´s são organizações chamadas de ministérios que tem em sua maioria o desserviço de fazer lavagem cerebral, trazer um evangelho do intuísmo, sem contar as bandas MCFé que são lindas e cantam tudo o que as pessoas desejam ouvir. Os MCFé´s mais antigos versão David Miranda e outros incluíam no pacote também uma nova conduta do que vestir, ler e comer (buscando fundamentos em leis aplicadas a cultura judaica de mais de 3000 anos atrás) ou seja loucura total. Eu não sou judeu e nem quero sair por aí num país onde se faz 25 a 30 graus vestido de monge.

As MCFé´s vieram em sua maioria copiadas dos modelos americanos e agora australianos de mecanização da fé, ou seja, a pessoa só precisa aceitar Jesus e a sua vida será mudada. Pronto é igual mágica. Se bebeu não bebe mais... se prostituía não prostitui mais... e tem mais, depois de três anos ou até menos você ainda pode virar pastor e depois abrir a sua igreja. Fácil.

Mas nem tudo são flores, se esquecem das raízes do protestantismo. Nem sequer usaram as perguntinhas básicas da filosofia moderna: De onde viemos? Para onde vamos? O que estamos fazendo aqui? É a velha história da árvore sem raízes fortes, ela não dura não é? A desculpa fica por conta do "Agir no Espírito".

E é aí que acontecem os desvios de conduta. Os quais chamamos (carinhosamente) de desviados!

O que significa ser cristão nos dias de hoje é só um ritual de passagem: de mundano – detesto essas conotações – para cidadão celestial. Ótimo, concordo. Mas o certo seria que as pessoas entendessem mais profundamente o significado de ser cristão, o que evitaria os escândalos que a cada dia crescem numa tangente que parece não ter fim, ou seja, você não precisa entender a identidade cultural do que significa ser cristão ou as cartilhas protestantes, pois sim caro leitor, existem diretrizes básicas para entendermos o que somos e o que estamos fazendo com a Bíblia debaixo do braço. Não precisa estudar na faculdade teológica não, é só ter bom senso. Ler e pesquisar. Um cristão hoje é capaz de saber mais sobre maçonaria do que sobre protestantismo. Pois ele estuda (leitura informal e formal) para saber o que que é! Ou senão só fala mal mesmo porque ouviu falar e pronto (ai daqueles que disserem o contrário).

Ao invés de um show e os desvios de conduta, moral e ética

Ah, o irmão fulano faz isso! A irmã cicrana aquilo... Eu apoio os que acham um absurdo um pastor roubar dos fiéis, mas a culpa não é (totalmente) do querido pastor mas sim dos fiéis que depositaram seus dinheiros contados (pois no Brasil o povo não ganha milhões) na conta de alguns malandros disfarçados de bons moços e usam um texto da bíblia e dizem "Ai daqueles que falarem dos ungidos" e no final de todo o teatro e da presepada toda vem as MCBandas Gospel... Liturgias fajutas, músicas incoerentes e músicas que podem ser baixadas para ser colocadas no seu Ipod!

No nosso último texto sobre a Hillsong uma coisa que me deixou muito intrigado foram as respostas, algumas ofensivas e irrefutavelmente fechadas ao diálogo e discussão. A impressão do meu amigo, estudioso de religião da Universidade da Carolina do Norte para quem traduzi o texto e os comentários até o dia 13 deste mês, foi de que em alguma fase da igreja evangélica no Brasil houve um ruptura da liberdade de livre pensamento e que as igrejas passaram então a dominar o pensamento individual dos seus membros, e se compararmos os pensamentos dos evangélicos (não todos mas principalmente os novos convertidos) podemos igualá-los ao fanatismo religioso dos mulçumanos que fazem a Jihad no Oriente Médio, com aversão extrema de tudo o que se lê, o que é totalmente contrário ao pensamento de onde se origina a própria igreja evangélica e protestante.

O que acontece segundo alguns estudiosos é uma inversão de valores.O Protestantismo que dá os princípios cristãos entrou em cena no final do século 13 para combater a tirania e a opressão a liberdade de pensamento e Jesus sempre foi muito aberto ao diálogo e criticava duramente os pensadores e donos da verdade de sua época. Outra vez, pode-se afirmar que o que acontece hoje é uma reação de inversão de valores com proporções catastróficas.

O autor Californiano Jon Foreman, é considerado um dos maiores poetas da música cristão contemporânea, e sobre as bandas evangélicas atuais ele escreveu uma música que não sai do meu Ipod. Leia com cuidado e você verá nitidamente grupos aparecerem na sua frente.

Em vez de um show [Nota do blog: a canção é baseada em Amós 5:21-24]



Eu detesto todo o seu show e pretensão
A hipocrisia do seu louvor
A hipocrisia de seus festivais
Eu detesto todo o seu show
Pra longe com a adoração chata
Pra longe seus hinos chatos
Eu tapo meus ouvidos quando você os canta
Eu odeio todo o seu show
Em vez disso, deixe que seja uma petição inundada de justiça
Um processo sem fim de retidão
Vivendo, vivendo
Em vez disso, deixe que seja uma inundação de justiça
Em vez de um show

Seus olhos estão fechados quando você ora
Você canta certinho com a banda
Você lustra seus calçados para os cultos
Mas tem sangue em suas mãos
Você virou as costas para os mendigos
E aqueles que não se encaixam nos seus planos
Terminam fazendo jogos da religião
Tem sangue em suas mãos
Ah! Vamos discutir isso
Se seus pecados são sangue vermelho
Vamos discutir isso
Vocês serão brancos como as nuvens
Vamos discutir isso
Acabam se fazendo de tolos
Dê amor para aqueles que não conseguem amar
Dê esperança para aqueles que não tem
Erga aqueles que não conseguem se erguer
Em vez de um show
Eu detesto todo o seu show

O que eu considero uma canção cheia da unção e assim ele foi convidado a escrever canções para inúmeros cantores evangélicos e também para os filmes Crônicas de Nárnia, um real desabafo.

Desafios

As igrejas neopentecostais encontraram no Brasil uma terra fértil para apregoar o ano da colheita e do milagre. Eu estive conversando com um amigo meu da faculdade – ele africano – que me contou que as igrejas na África são muito milagreiras e esperam que o mundo acabe e comece tudo de novo. Ouvindo a história dele me lembrei da música "Restitui" que poderia ser cantada até pela dupla Sandy e Júnior que eu jamais iria comprar. Vende-se o Milagre."Hoje o meu milagre vai chegar".

Contudo a ética do movimento neopentecostal reflete praticamente a mesma do pentecostalismo no Brasil, que ao longo da década, enfatizou mais o carisma do que o caráter. Com o desaparecimento de seus líderes principais, pode haver uma fragmentação em cadeia dentro de seus segmentos mais expressivos. Outros grupos e líderes surgirão, como também novas formas de culto e práticas, são muitos os desafios que aguardam a Igreja em sua caminhada em direção ao futuro.

Por questão culturais, nós brasileiros temos a mania horrível de achar tudo o que é importante a ser discutido na mesa, em casa, nas reuniões de família é pecado. Não discute-se religião(seus líderes agradecem), não discute-se política (os políticos eles agradecem). E por isso vivemos a busca incansável pelo milagre que vai vir dos céus. Sim eu creio em milagres! Mas para tudo tem limite.

Nossos pioneiros na fé criaram através de universidades entre o séculos 18 e 19, lugares de pensamento sempre livre (um dos pontos fortes de ser protestante) onde esses cristão puderam contribuir de forma significativa para o avanço da tecnologia e das ciências(para comunidade de uma forma geral) Harvard, Cambridge e Yale todas as Ivy League foram fundadas por grupos de pensadores cristãos protestantes. No Brasil temos os exemplos dos Instituto Bennety e da Ulbra Universidade Luterana Brasileira, além do Instituto Presbiteriano Mackenzie.

E onde estariam hoje esses pensadores, reformadores e formuladores de uma nova classe de pensamento cristão que influenciam a nossa sociedade?

Não estou falando de políticos mas de um sistema comportamental que gera uma nova cadeia de pensamento e quebra as barreiras para que Deus possa agir através do seu povo, livre das influências do que dita o mundo, mas influenciando de forma geral as estruturas da sociedade, como foi no passado em que países inteiros da Europa abraçaram a causa protestante por acreditarem no Deus que liberta o pobre.

Mas, infelizmente os cristãos hoje estão preocupados em saber qual será o nome do CD novo do Diante do Trono ou se haverá uma nova turnê da Hillsong no Brasil. Assim como as igrejas na década de 70 e 80 aproveitaram a época da ditadura para manter seus fiéis na linha com medo do ano 2000 que estava para chegar. Não chegamos a lugar nenhum e ficamos estagnados como parasitas alimentado os MCPastores que acham o máximo pregar nos Estados Unidos e abrir uma ou duas filiais de suas igrejas MCFé's da Europa, África ou sei mais onde.

Será que um dia alguém entenderá os motivos que levaram os grandes criadores deste site a realizar pesquisas sobre o comportamento cristão para que despertemos do marasmo e do legalismo que nos cercam?

Talvez sim, talvez não... mas eu continuo tendo fé.

Um comentário:

  1. Rapaz, que lucidez, você corre perigo sabia...é um perigo para os teólogos da prosperidade, milagreiros (agora temos o mais novo, o Valdemiro Santiago), os magnatas da Tv Gospel. Não sou protestante, quero parabenizá-lo por tudo do que disse. Uma boa análise histórica. Os protestantes tradicionais são tido como 'otários'pelos neoprotestantes por sua erudição e apreço à cultura -nas suas citações sobre universidades esqueceu de citar a Metodista.Abraços

    ResponderExcluir

Por favor, note que os comentários são moderados e que todos
os spams, insultos, proselitismo e discursos de ódio serão removidos.